Quem acompanhou todos os artigos da nossa viagem com a STB pôde notar que se trata de um roteiro incrível e que, sorte ou não, o grupo acabou se dando muito bem e permanecendo junto na maioria das atividades, tornando assim a experiência ainda mais agradável.

Apesar de termos feito esta viagem a convite da STB, queremos deixar nosso depoimento e avaliação real sobre o pacote, destacando os pontos favoráveis e o que poderia ter sido melhor para quem deseja embarcar em uma viagem destas também.

Vale a pena fazer o tour do sul do Marrocos com a STB/Intrepid?

Abaixo ressaltamos os principais destaques, lembrando que utilizando o código JAFEZ10 na STB é possível ter 10% de desconto na compra deste ou outro pacote!

Pontos fortes

O guia que nos acompanhou é extremamente simpático e fez questão de inserir paradas que não estavam previstas no roteiro original, com intuito de enriquecer ainda mais a experiência, além de ter estado com o grupo o tempo todo, como que um amigo local.

Um dos principais pontos positivos de se fazer a viagem da Intrepid pela STB é o fato de se poder praticar inglês o tempo todo e fazer amigos de diversas partes do mundo. Essas são duas experiências que podem ser mais difíceis de serem atingidas ao se fazer uma viagem sozinho.

O preço em si também é outra vantagem para quem quer fazer uma viagem nestes moldes de conforto: com hotéis, transporte particular, algumas refeições inclusas e até atrações, como andar de dromedário e acampar no Saara. A diferença não é muito grande para quem organiza uma viagem por conta própria e quem compra o pacote, com a mais-valia de ter muito mais comodidade para quem escolhe a segunda opção, uma vez que cerca de 80% do roteiro já está todo planejado.

roteiro do marrocos pela STB

Pontos fracos

Apesar de te colocar muito mais em contato com a cultura e os costumes do local, o tour em si limita em algumas escolhas, como opções para comer. Uma vez que a maioria das refeições foram feitas em lugares específicos e claramente turísticos, os preços pagos foram mais caros até do que os praticados em muitos outros países da Europa, por exemplo.

Em Essaouira, um dos poucos lugares onde tivemos mais flexibilidade e opção de escolha, chegamos a pagar menos de 50 DH (cerca de 5€) por uma refeição. Já nos restaurantes escolhidos para este roteiro, muitos deles nos hotéis por estarem localizados em locais mais remotos, o preço médio era de 90 DH para um prato, chegando aos 12 DH – 15 DH a depender da bebida escolhida.

Outro ponto que indicamos como sendo negativo, mas que pode ser facilmente ajustado com uma atualização das informações fornecidas pela Intrepid e também na página e suporte da STB é o pouquíssimo tempo disponível para explorar Marrakech.

O roteiro divulgado dá a impressão que haverá tempo suficiente para conhecer a cidade dentro do tour e até fazer uma série de atividades extras, mas quem não sabe e não se programa para chegar pelo menos algumas horas antes do encontro com o grupo no primeiro dia ou para ficar até mais tarde após o término do tour acaba por ir embora sem ver nada além dos hotéis e o aeroporto em si.

Por isso, fica aqui uma ressalva para quem for comprar este pacote: se organize para ir em um voo mais cedo, retornar em um voo mais tarde ou mesmo ter um ou dois dias a mais apenas para Marrakech.

roteiro do marrocos pela STB

Nem bom, nem ruim

O fato da viagem ter sido realizada em dezembro causou uma certa dificuldade na hora de fazer as malas, devido às dúvidas em relação ao clima e a possibilidade de pegar muita chuva e até neve pelo caminho.

No entanto, para quem já mora fora ou está acostumado a invernos um pouco mais frios do que os que enfrentamos na maior parte do Brasil, não é nada do outro mundo e é possível conhecer o Marrocos sem o fuzuê da alta temporada já que o destino está cada dia mais em alta!

Leia todos os artigos desta série sobre o Marrocos:

Gostou deste artigo? Acompanhe mais dicas também no  Facebook e  YouTube

Atenção Atenção
Este conteúdo é de exclusividade do Já Fez as Malas e não pode ser reproduzido parcial ou integralmente sem autorização prévia. Caso queira referenciar o conteúdo abordado neste artigo, pode-se utilizar um link para a matéria.
Comentários do Facebook

Sobre o Autor

Nataly Lima

Mestre em jornalismo natural de São Paulo, hoje tem a Europa como a sua base. É apaixonada por conhecer novas culturas, comer, viajar e contar histórias sobre esses e outros assuntos.

Artigos Relacionados