Antes de falar onde é possível degustar o prato mais simbólico da cidade do Porto, a Francesinha, segure um pouco o apetite. Afinal, não vale consumir essas mais de mil calorias sem saber um pouco da história por trás do sanduíche.

O ano era 1953. O português Daniel David da Silva, que já havia morado na Bélgica e depois na França, queria que as mulheres portuguesas fossem tão “picantes” quanto considerava serem as francesas. Daí teria vindo a inspiração para criar um prato que viria a refletir seu desejo.

Primeiro era mais popular entre os homens, especialmente após às 23h30, como um lanche na saída da sessão de cinema (tarde não?). Por volta dos anos 70, popularizou-se também entre as mulheres. Um prato sem cerimônias e muitas apresentações.

Se tivesse sido originada no Brasil, a Francesinha com certeza seria uma daquelas comidas de boteco, talvez em versão menor para petiscar com os amigos.

Afinal, o que vai na Francesinha?

Para quem ficou curioso sobre o que vai em um dos sanduíches mais curiosos do mundo, aqui vai um resumo. Apenas o molho leva: cerveja, caldo de carne, folhas de louro, vinho do Porto, polpa de tomate, pimenta piri-piri, entre outros ingredientes.

Já no recheio costuma ter salsicha e linguiça fresca, mortadela, presunto (em Portugal equivalente ao fiambre) e bife. Tudo isso é coberto com queijo e o molho que varia entre versões mais e menos apimentadas. Há a opção de adicionar um ovo no topo e batatas fritas quase sempre acompanham.

Para beber, cerveja, refrigerante, etc.; à gosto do freguês.  Se vale uma dica para os que não gostam muito de comidas apimentadas: peça o molho à parte. Assim, experimenta para ver se gosta e coloca a quantidade que desejar.

Onde comer Francesinha no Porto

Atualmente encontra-se Francesinha em qualquer canto do Porto. Para ajudar, listamos alguns dos melhores lugares onde pode comer uma (ou algumas vezes) até encontrar a sua favorita.

Bufete de Fase

Rua de Santa Catarina, 1147 Porto +351 22 205 2118

Foto: Nataly Lima

Comecemos por este restaurante familiar e ainda pouco descoberto pelos turistas brasileiros. O Bufete de Fase fica na Rua de Santa Catarina, pouco depois da parte comercial para quem sobe. Na entrada está escrito que abrem de segunda a sexta em certos horários, mas por experiência própria é melhor ligar e confirmar antes. Há dias que abrem realmente, há dias que não. Ideal para um visita despretenciosa.

Ali o carro-chefe é a Francesinha de forma simples, sem ovo. É a salsicha que vai no topo.

Horário: segunda a sexta, das 12:15 às 16:00 e das 18:00 às 21:30 (normalmente fecha para férias)

Preço da Francesinha: 9€. Com batata e bebida 11,50€ (atenção que não aceitam cartões)

Café Santiago F

Café Santiago, Rua de Passos Manuel, 198  Porto +351 22 208 1804

A primeira francesinha de muitos que chegam no Porto é ali no Café Santiago. Existem duas unidades, mas normalmente é para o Santiago F que as filas são maiores, assim como o tempo de espera. A linha de produção é tanta que já até fizeram uma live no Facebook para mostrar.

Há também outras opções do cardápio, como cachorro-quente, prego (bife) no pão, tripas à moda do Porto, sopas e mais.

Horário: segunda a sábado, das 12h às 3h.

Preço da Francesinha: 8,65€. Com batatas fritas e ovo 9,50€

Lado B

R. de Passos Manuel 190 Porto +351 22 201 4269

Foto: Divulgação

O Lado B fica também na Passos Manuel, ao lado do Café Santiago. Muita gente vai lá porque desiste de esperar a fila do Santiago e outros voltam intencionalmente, porque já provaram e gostaram. Seja como for, a reputação é boa e por isso entra na lista. Há também versão vegetariana e outras opções, como pregos no pão, hambúrgueres, cachorro quente e mais.

Horário: segunda a quinta, das 11h às 23h30. Sexta e sábado das 11h às 01h30.

Preço da Francesinha: 8,25€

Cervejaria Brasão

R. de Ramalho Ortigão 28 Porto +351 934 158 672

Foto: Dilvugação

Para quem quer experimentar outros temperos e uma carne que lembra mais o nosso churrasco brasileiro, a Cervejaria Brasão, agora com uma unidade nova também na Passos Manuel e a primeira na Ramalho Ortigão, tem o que procura.

Além da Francesinha há muitas outras excelentes opções no cardápio. Para quem conseguir pensar numa entrada, fica a sugestão para o risole negro. O local está sempre cheio, por isso o ideal é fazer reserva antes.

Horário: domingo a quarta, das 12h às 14h30 – 19h às 00h. Quinta a sábado, das 12h às 14h30 – 19h às 02h.

Preço da Francesinha: 9€. Meia dose de batata 1,70. Meia francesinha 7,40€. Ovo adicional 0,50€.

Capa Negra II

Rua do Campo Alegre, 191 Porto +351 22 607 8380

Um pouco mais afastado da zona história do Porto, mas ainda assim vale a pena a esticada até o Campo Alegre para experimentar a francesinha do Capa Negra II. Lá é possível experimentar com o pão bijou, mais parecida com a versão original.

Horário: segunda a sábado, das 12h às 1h45. Domingo, das 12h a 00h.

Preço da Francesinha: 8,60€. Com ovo e batata 11,50€

Cufra

Avenida da Boavista, 2504 Porto  +351 22 226 172 715

Foto: Divulgação

Outro ponto de parada para quem quer experimentar mais versões de francesinha, o Cufra, que na verdade é uma marisqueira, tem sete tipos. Acredite, há até uma que leva camarões.

Horário: domingo a sábado, das 12h às 02h

Preço da Francesinha: de 9€ a 27,50€ (a mais cara tem quatro camarões gigantes).

A Regaleira

R. do Bonjardim, 87 Porto +351 22 200 6465


O berço da Francesinha não é necessariamente o mais famoso. Mas para quem quiser comer a iguaria no lugar de origem, basta passar na Rua do Bonjardim, ao lado da Avenida dos Aliados.

Horário: domingo a sexta, das 11h às 23h30

Preço da Francesinha: 8,60€. Com batata e ovo: 10,60€

Gostou do artigo? Acompanhe mais dicas também no Facebook e YouTube

Atenção Atenção
Este conteúdo é de exclusividade do Já Fez as Malas e não pode ser reproduzido parcial ou integralmente sem autorização prévia. Caso queira referenciar o conteúdo abordado neste artigo, pode-se utilizar um link para a matéria.

Sobre o Autor

Nataly Lima

Mestre em jornalismo natural de São Paulo, hoje tem a Europa como a sua base. É apaixonada por conhecer novas culturas, comer, viajar e contar histórias sobre esses e outros assuntos.

Artigos Relacionados