Como aproveitar a cidade quando se tem poucas horas de conexão? É comum torcer o nariz quando nos deparamos com longas horas de conexão ou até mesmo stop over durante uma viagem, mas os bons pesquisadores de viagens sabem que essa é uma vantagem de ouro se você souber aproveitar bem o seu tempo!

Por falar nisso, sabe qual é a diferença entre conexão e stop over? Em linhas gerais, é a parada em mais de um destino, podendo durar horas ou alguns dias na mesma viagem e utilizando uma só passagem aérea. Você não pagará a mais por isso e, muitas vezes, vale a pena aproveitar para adicionar mais um destino na sua viagem! O stop over não é uma escala, porque em uma escala, nós não desembarcamos do avião até chegar ao nosso destino final. Assemelha-se a uma conexão, quando trocamos de avião para chegar ao nosso destino, mas tem caráter voluntário. Você pode optar por fazer ou não quando emitir suas passagens.

O que ver e fazer em Lisboa em 1 dia

Para quem decidiu fazer uma curta parada em Lisboa, reuni algumas dicas de onde ir rapidamente para sentir um gostinho da cidade. É claro que, mesmo próximos aos locais que estou citando aqui, existem diversos pontos turísticos que valem a visita. Porém, vou falar dos meus locais favoritos até agora.

Como se locomover

Bem, a primeira coisa a se fazer em um stop over em Lisboa é adquirir seu cartão do metro. Logo que você sair do aeroporto, pegue as escadas rolantes para o metro e você verá diversas máquinas azuis (geralmente, acompanhadas de uma fila considerável para que você chegue até elas). Lá você irá fazer seu cartão do metro (0,50€) e escolher qual tarifa melhor lhe convém.

Você pode utilizar a tarifa unitária, de 1,45€ e calcular quantas serão necessárias de acordo com o seu planejamento ou, se valer a pena, utilizar a tarifa diária de 6,30€, que lhe dará 24hrs de viagens ilimitadas dentro da zona urbana de Lisboa. Se você quiser ir às praias, à Setúbal, Sintra ou outra região fora da zona urbana, terá de pagar um pouco a mais.

Não jogue o cartão fora e guarde o recibo de compra de cartão e tarifas, pois se houver algum problema, poderá comprovar a regularidade. O cartão será válido por um ano e você precisará dele para entrar e para sair do metro.

Se você for seguir conforme o roteiro deste texto, pegará a linha vermelha sentido São Sebastião e irá fazer baldeação na linha verde, sentido Cais do Sodré. O tempo deste trajeto é de, aproximadamente, 30 minutos. Desça na estação do Rossio e aproveite as dicas. Mas, se você for fazer um roteiro diferente e passando por alguns dos lugares que eu indiquei, algumas estações de Metro poderão ser mais convenientes, principalmente pelo fator “tempo”. Fique atento para não perder seu voo.

Rossio

Esse é um bairro super tradicional de Lisboa. Diversas opções de comércio e gastronomia e um ambiente muito agradável. Aqui você irá encontrar os famosos bondinhos, artistas de rua, feirinhas, igrejas e muito mais.

O que vale a pena: Quer um bom pastel de natas, mas não sabe se há tempo de ir até Belém? Vá à Confeitaria Nacional (Praça da Figueira, nº. 18B) e fique tranquilo em saber que este é um dos melhores da cidade. Mas veja bem o seu horário, pois a Confeitaria costuma fechar cedo.

Rua Augusta

Caminhando pela Rua Augusta, você encontrará uma série de opções gastronômicas ao seu dispor. Mas vale muito a pena pesquisar os preços dos restaurantes nas ruas ao redor também – você encontrará pratos tão bons quanto com preços menos “turísticos”. Siga até o final e você encontrará o Arco da Rua Augusta, que revelará a Praça do Comércio, às margens do Rio Tejo.

O que vale a pena: O pastel de bacalhau com (ou sem, você que manda!) queijo da Serra da Estrela, na Casa Portuguesa (Rua Augusta, nº. 106-108). Se gosta de vinho, peça o combo pastel + vinho (do Porto ou da Madeira). Você não vai se arrepender!

Praça do Comércio

Famosa entre os admiradores de Lisboa, a Praça do Comércio é um local bastante agradável e cheio de história, no qual você pode ver a fluidez do Rio Tejo, a Ponte 25 de Abril e sentir um pouco da emoção de visitar essa cidade.

O que vale a pena: Tudo. Mas sejamos práticos: assim que você chegar à Praça do Comércio, à sua esquerda, verá o Museu da Cerveja (Terreiro do Paço – Ala Nascente, nº. 62 a 65). Aos apreciadores, parada obrigatória. O local é muito bonito e também conta com os pasteizinhos de bacalhau que mencionei acima (Se você realmente estiver com pressa, ao invés de descer na estação do Rossio, faça baldeação da linha vermelha com a linha azul e desça na estação Terreiro do Paço).

Se estiver com temposobrando e quiser ir a Belém, pode pegar os comboios (ou bondinhos) aqui, ou seguir a próxima dica, logo abaixo.

Cais do Sodré

Nesta estação saem os comboios para diversas regiões, como Belém. É aqui que a vida noturna pulsa em Lisboa para quem gosta de sair para dançar. Para quem prefere um passeio gastronômico, vale visitar o mercado do Time Out (Av. 24 de Julho, nº. 49).

O que vale a pena: Difícil encontrar quem não goste de sorvete, mais difícil ainda encontrar quem não gosta dos sorvetes (ou gelados) da Santini. Dentro do mercado, existem diversos stands, mas se você quer um bom sorvete, a Santini dificilmente irá decepcionar.

Miradouros

Se tem tempo para desbravar as ladeiras do Bairro Alto, vale a pena conferir os Miradouros. No caminho, você passará pelo Elevador da Bica, também muito tradicional de Lisboa. Os dois Miradouros que menciono valem muito a pena, mas você precisa considerar algumas coisas para escolher em qual ir, se só tiver tempo de ir em um deles.

Miradouro de Santa Catarina: o ambiente sempre está cheio, mas não lotado. Durante as tardes, principalmente quando faz sol e calor, os mais jovens se reúnem para tomar uns drinks e assistir ao pôr do sol, ao som de música ao vivo. Não se paga nada para estar no local, e, caso você queira tomar uma cerveja ou algum outro drink, existem alguns bares e quiosques espalhados pelo caminho, sendo que um deles fica no próprio Miradouro. A vista é de tirar o fôlego!

Miradouro de São Pedro de Alcântara: Apesar de também agitado, não é um ambiente tão “badalado”. A vista é um tanto quanto diferente, mas igualmente magnífica. A região é rica em bares e restaurantes. Vez ou outra, é possível conferir algumas feirinhas no local.

Espero que vocês gostem e que aproveitem a estadia!

Agradecimento especial à Claudia Fonseca, que me deu a ideia de falar sobre como desfrutar a cidade em pouco tempo!

Este conteúdo é de total responsabilidade do autor da coluna Flávia Stamato. Acompanhe também o instagram da Flávia.

Acompanhe mais dicas também no Facebook e YouTube

Veja também:

Atenção: Este conteúdo é de exclusividade do Já Fez as Malas? e não pode ser reproduzido parcial ou integralmente sem autorização prévia. Caso queira referenciar o conteúdo abordado neste artigo, pode-se utilizar um link para a matéria.

Sobre o Autor

Flávia Stamato

Bem humorada 99% do tempo, gosta de conhecer novas culturas e aprender novas formas de viver bem. Aos 28 anos foi morar em Lisboa e se perder propositalmente em cada cantinho desta cidade incrível.

Artigos Relacionados