O ano começou de vez e muitos querem saber quais são os melhores países para se viver para deslanchar na carreira, para se ter mais qualidade de vida e segurança, ou mesmo se aposentar. Por isso, atualizamos essa lista baseada em diversos conceitos e levantamentos.

Melhores países para se viver, trabalhar e juntar dinheiro

Quem está construindo uma carreira profissional com certeza deve pensar bem antes de se mudar do Brasil, para que a escolha seja a mais acertada quanto ao mercado de trabalho que se quer ingressar, o salário médio, as condições trabalhistas (quais os benefícios e deveres como trabalhador) e os requisitos esperados dos candidatos.

Muitas pessoas também confundem altos salários mínimos com um bom lugar no mundo para ganhar e juntar dinheiro. No entanto, quem não olha também para o custo de vida do local está tendo uma visão equivocada do cenário.

Pensando em tudo isso e no cenário mundial em 2016, pode-se citar alguns bons lugares para quem quer se esforçar por um tempo ou construir uma vida num local com alta rentabilidade (dependendo do setor, experiência e outros fatores, claro). Segundo os estudos do banco HSBC voltados para emigrantes, a Suíça, a Suécia e a Alemanha são os melhores lugares para trabalhar, de modo geral.

De modo segmentado, o Quatar seria o melhor lugar para ganhar dinheiro, o melhor país para se ter equilíbrio entre vida profissional e pessoal seria a Suécia e para quem deseja progredir na carreira Hong Kong é a melhor opção.

Assim como dito acima, alguns destes locais também possuem custo de vida alto, por isso, pode ser ideal para quem vai com um trabalho adequado aos custos locais. Para quem vai tentar a vida sem um emprego na área, com uma boa remuneração, essas podem não ser as melhores opções.

Com melhor qualidade de vida

Afinal, qual o melhor país para se viver quando o quesito é qualidade de vida? Segundo o levantamento feito pela Mercer, muitas cidades europeias continuam no topo da lista, mesmo após o cenário mais tumultuado que se viu pela movimentação de refugiados e também dos atentados terroristas de 2015.

Na pesquisa, que levou em consideração essencialmente a segurança que se tem nos lugares, Viena (Áustria) foi eleita como o melhor local para se viver, seguido de Zurique (Suíça), Auckland (Nova Zelândia), Munique (Alemanha) e Vancouver (Canadá).

Dentre os critérios analisados estão o ambiente político, social, econômico e sócio-cultural, s saúde, educação, transporte e outros serviços públicos, entretenimento, bens de consumo, habitação e meio ambiente.

Melhores países para viver e se aposentar

O melhor lugar para trabalhar, não necessariamente é o melhor lugar para se aposentar. Segundo a matéria do Huffington Post, em 2016 o Algarve, em Portugal, é um dos melhores lugares para quem deseja ter uma vida calma após anos de esforço. Isso por causa do baixo custo de vida, pelo ótimo clima (tanto que Portugal inteiro e muitos turistas correm para lá durante o verão), e facilidade também em encontrar outros emigrantes, essencialmente da Inglaterra. Sobre Portugal em si, é um local interessante para quem já tem alguma garantia financeira e apenas procura um local barato para estar, já que é um dos países mais baratos da Europa Ocidental.

Após o Algarve, o Huffington Post elegeu destinos talvez menos pensados na hora de se aposentar. São eles Cayo (Belize), Meledin (Colômbia), Pau (França), Abruzzo (Itália), George Town (Malásia), Las Terrenas (República Dominicana), Cuenca (Equador), Chiang Mai (Tailândia), Puerto Vallarta (Mexico), Granada (Nicarágua) e Panama City Beach (Panamá). A justificativa da escolha de cada um dos lugares, alguns mais inesperados que outros, pode ser vista no original, em inglês.

Veja também:

Facebook     Nosso grupo      Twitter    Youtube

Atenção Atenção
Este conteúdo é de exclusividade do Já Fez as Malas e não pode ser reproduzido parcial ou integralmente sem autorização prévia. Caso queira referenciar o conteúdo abordado neste artigo, pode-se utilizar um link para a matéria.
Comentários do Facebook

Sobre o Autor

Nataly Lima

Natural de São Paulo, mas hoje tem a Europa como sua base. É mestre em jornalismo, mas não dá aula em faculdade. No momento só quer compartilhar o que vê pelo mundo.

Artigos Relacionados