O Panamá é um pequeno país, mas com fortes relações comerciais. Ponte entre as Américas do Sul e do Norte, a capital Cidade do Cabo e a segunda maior cidade, Cólon, são os principais destinos pra quem deseja morar no Panamá. Tudo isto devido às oportunidades de trabalho e qualidade de vida.

Um dos pontos mais atrativos da região é, também, o mais importante no que diz respeito à economia: o Canal do Panamá. Para quem não se lembra, trata-se de um canal artificial construído para ligar o Oceano Pacífico ao Atlântico. Já no porto de Cólon, um dos mais importantes do mundo por ser uma área de livre-comércio (onde não há taxas e impostos sob bens importados e exportados.

Como morar no Panamá

Apesar de ser um dos muitos países em que não é exigido do brasileiro o visto para turismo, durante um período de 90 dias, é preciso estar Certifcado Internacional de Imunização contra Febre Amarela (CIV) e na posso de uma quantia mínimo de U$ 500. Para aqueles que desejam permanecer no país por um período mais prolongado, mesmo sem relação de trabalho ou estudos, devem preencher o formulário e apresentar alguns documentos básicos, que serão citados abaixo.

A Embaixada da República do Panamá fica localizada em Brasília, na SES Avenida das Nações, quadra 803, lote 9. O telefone para contato é o (61) 3323-0237 e o email é contato@panaembabrasil.com / consulado@panaembabrasil.com.br. As representações consulares estão localizadas no Rio de Janeiro, Santos e São Paulo. Todas as informações podem ser consultadas no site oficial da Embaixada.

Existem alguns documentos básicos que são transversais a quaisquer pedidos da categoria de vistos autorizados. São eles os de trabalho e estudos (também é aplicável ao de turismo):

  • Passaporte com validade mínima de três meses;
  • Cópia do Passaporte (todas as folhas carimbadas);
  • 3 fotos tipo passe (fundo branco);
  • Certificado Internacional de Vacina*;
  • Comprovante de Residência (conta de água ou luz, por exemplo);
  • Certificado de Antecedentes Criminais;
  • Seguro de Saúde;

* O Certificado Internacional de Vacina (emitido pela Anvisa) é gratuito e pode ser obtido em um posto de Vigilância Sanitária dos aeroportos. Vale ressaltar que, para emissão do mesmo é preciso apresentar o cartão de vacina com os devidos carimbos e assinaturas dos agentes de saúde. E, para ser válido, é preciso tomar a vacina pelo menos 10 dias antes do embarque.

Trabalhar no Panamá

Apesar de ser um país com livre entrada para o turismo, o mesmo não pode ser dito para o trabalho. Além do mais, uma empresa local só está autorizada a contratar estrangeiros dentro de uma cota de 10% do total dos seus empregados. Trata-se de uma lei de incentivo ao trabalho interno e que, por obrigação, deve ser respeitada e é cobrada no momento da solicitação do visto.

Todo e qualquer estrangeiro que deseja morar no Panamá a título de trabalho deve procurar pela oportunidade no seu país, solicitar os documentos necessários referentes à contratação e visto para então, após ser concedido a autorização, fazer a mudança para o país. Os documentos exigidos são:

  • Contrato de Trabalho aprovado pelo Ministério do Trabalho;
  • Carta Convite de Trabalho em papel timbrado e assinado pelo representante legal da empresa que oferece o trabalho;
  • Cópia do Registro Público da empresa;
  • Cópia do documento Paz y Salvo da empresa;
  • Depósito de 250PAB (balboas) junto ao Tesouro Nacional.

Em uma segunda fase é necessário estar inscrito na Segurança Social (sistema similar à Previdência Social brasileira para pagamento de impostos e recebimento de benefícios do país) e ter em posse a Permissão para Trabalhar. Em alguns casos também pode ser solicitado por parte do Consulado/Embaixada documentos como Certificado de Habilitações/Carteira Profissional como comprovativo da contratação para o trabalho.

Estudar no Panamá

Seja para fazer uma faculdade ou um período (tipo intercâmbio) e até mesmo curso de línguas é preciso solicitar o visto, independente de ser brasileiro ou não, para este período que deseja morar no Panamá. Vale lembrar que, apenas são autorizados os vistos para aqueles que desejam estudar em instituições certificadas pelo Ministério da Educação no Panamá. Para além dos documentos citados anteriormente é preciso:

  • Carta de Aceite da Instituição de Ensino;
  • Comprovativo de pagamento da matrícula;
  • Certificado da Instituição com o tipo do curso, duração, período de estudos e grade curricular das disciplinas;
  • Comprovativo de renda: bolsa de estudos; carta de responsabilidade dos pais ou conta bancária em nome do estudante com o valor total das suas despesas depositados (mensalidade + custo de vida);
  • Depósito de 250PAB (balboas) junto ao Tesouro Nacional.

A princípio não é permitido que o estudante curse no período noturno. Em casos “extremos” é preciso que a Instituição apresente um certificado de que o determinado curso só está disponível neste período.

Custo de vida

A título de comparação, o custo de morar no Panamá é mais elevado do que o de São Paulo, por exemplo. De acordo com o site Numbeo, para manter o mesmo padrão de vida que se tem com cerca de R$ 9 mil, é preciso de R$ 13 mil no Panamá. O único fator que é um pouco mais interessante quando comparado com a capital paulista é que o poder de compra é maior.

De acordo com o Ministério do Trabalho no país, o salário mínimo vigente a partir de janeiro de 2016, na região 1 do país é de US$ 667 e, na região 2, o salário é de US$ 529. Caso esteja confuso quanto as moedas, no país é comercializado tanto o dólar americano, quanto o balboa (e pode ser trocado a qualquer altura, pelo mesmo valor de câmbio).

Já com relação às zonas e diferenças salariais, a primeira compreende as cidades de Panamá, Colón, San Miguelito, David, Santiago, Chitré, Aguadulce, Penonomé, Bocas del Toro, La Chorrera, Arraiján, Capira, Chame, Antón, Natá, Las Tablas, Bugaba e Boquete. A zona 2 compreende o restante dos distritos.

De acordo com o último Censo relativo às estimativas populacionais das comunidades brasileiras no mundo (2014), havia cerca de 2.000 brasileiros no Panamá. A principal atividade comercial no país é voltado para o setor de serviços e, muitos dos brasileiros empregados em funções específicas (nível de conhecimento elevado) trabalham nos setores de importação e exportação.

Vale a pena morar no Panamá?

A conclusão que se pode chegar se vale a pena ou não morar no Panamá vai depender da finalidade. Para os estudos, caso tenha uma bolsa, a valia está num curso de Espanhol, em território alternativo. Já com relação às universidades, algumas possuem parcerias com instituições americanas, mas não possuem tamanha tradição quando comparadas às da América ou Europa. E, por ter o custo de vida parecido com o de São Paulo, este pode ser um caso a ser avaliado.am

Porém, se o seu caso é um cargo de trabalho, é preciso avaliar qual será o salário e você poderá converter a moeda de dólar / real. Se objetivo for juntar uma grana, essa pode ser uma estratégia interessante, considerando que o poder de compra é mais baixo do que o de São Paulo, mas o custo de vida, de forma gral, similar. Conclusão, se você deseja morar no Panamá, tudo dependerá do seu salário.

Veja também:

Facebook      Nosso grupo      Twitter    Youtube

Atenção Atenção
Este conteúdo é de exclusividade do Já Fez as Malas e não pode ser reproduzido parcial ou integralmente sem autorização prévia. Caso queira referenciar o conteúdo abordado neste artigo, pode-se utilizar um link para a matéria.

Sobre o Autor

Redação

O Já Fez as Malas? é feito por e para brasileiros apaixonados por conhecer outras culturas, viagem, gastronomia e para quem sonha em morar fora.

Artigos Relacionados