Mudar nunca é fácil, ainda mais quando se trata de mudar de um país para outro. O processo requer um planejamento prévio e detalhado para evitar frustrações e dores de cabeça futuras. Será necessário enfrentar barreiras culturais, diferenças culturais e a doída saudade. Para facilitar o processo, nós do Já Fez as Malas criamos um pequeno manual para quem vai morar fora do Brasil para trabalhar ou estudar.

Conforme for respondendo às perguntas abaixo, vai notar que tem seu plano de morar no exterior mais claro e também o que falta para realizar esse projeto de vida.

Antes de saber como morar fora do Brasil, tenho que decidir onde

Independentemente se você vai passar um ano trabalhando fora ou estudando ou se sua experiência vai ser mais curta, o país e a cidade que escolher morar fora do Brasil são de extrema importância e têm de ser escolhidos de acordo com o que mais tem a ver com você: seus hábitos, seus sonhos e também seus limites. Esse tipo de reflexão passa pelas mais diversas esferas, como:

  1. Saber o quão distante consigo ficar da minha família e amigos,
  2. Com qual tipo de clima/temperatura me adapto melhor e qual não suporto,
  3. Qual o padrão de vida que desejo ter (isso tem tudo a ver com o custo de vida que você poderá ou não enfrentar),
  4. Quero emigrar para estudar / trabalhar, mas depois quero seguir carreira no Brasil? Será que será válido quando eu voltar?
  5. etc.

É normal ter dois ou três destinos na mente quando se decide trilhar um caminho no exterior, sem saber bem qual escolher. Quando tiver pelo mais claro as questões que colocar acima, procure blogs de pessoas que já tiveram experiências parecidas, pergunte, questione. Estude a cultura do local, custos, os hábitos, transportes, segurança, gastronomia e tudo que for relevante para uma escolha consciente (a categoria morar fora do Brasil aqui do site pode te ajudar nessa etapa).

Existem muitos casos de pessoas que têm uma péssima experiência no exterior por não se adaptarem à cultura do local, clima, entre outros fatores. Não deixe de usar essa fase de planejamento para saber melhor o que afinal você quer com essa mudança.

Quanto dinheiro vou precisar para essa mudança?

Ainda na fase no planejamento, é preciso colocar na ponta do lápis os gastos previstos, que serão necessários antes e durante sua estadia no exterior. Ficam listados abaixo por ordem:

  • Passagem (normalmente pede-se que tenha passagem de ida e volta para obtenção do visto),
  • Documentação e preparativos em geral (inclui-se aqui vistos e gastos com autenticações),
  • Seguro saúde (gratuito para Portugal, Cabo Verde e Itália: ver aqui).

Multiplique os gastos abaixo pela quantidade de meses / anos que planeja ficar no exterior:

  • Curso (no caso de quem vai estudar e terá que pagar por algum curso),
  • Alimentação,
  • Hospedagem (incluindo algum valor de caução que possa ser pedido antes de fechar o contrato de aluguel),
  • Transporte,
  • Custos extras (não esqueça de sempre ter uma  poupança emergencial .)

Quais documentos e procedimentos preciso me preocupar

Uma vez decido para onde vai, o próximo passo é consultar no site do consulado do país escolhido a lista de documentos que serão necessários para solicitar o visto adequado. Vale ressaltar que para cada finalidade há um determinado tipo de visto – para estudar, trabalhar, estudar/trabalhar – e sempre é preciso solicitar o documento de acordo com o propósito ainda no Brasil (mesmo que conheça casos de pessoas que conseguiram no exterior, não conte com essa possibilidade e, assim, não corra risco de ficar na ilegalidade).

A documentação, prazos e taxas mudam de país para país. Quem tem dupla cidadania, por exemplo, terá muito mais facilidade para entrar no país do que alguém que não tem (neste caso não é preciso de visto para o país cujo possui cidadania e passaporte).

Ainda sobre o tópico documentação, vale lembrar a importância de deixar uma procuração geral para algum familiar ou pessoa que confie, para que não seja necessário o seu regresso ao Brasil em muitas ocasiões.

Como conseguir um trabalho

Depois de ter uma média e já saber o quanto vai precisar, mapeie empresas do seu interesse, distribua currículos em sites de emprego no exterior ou pelo LinkedIn.

O mais comum é que emigrantes acabem encontrando vagas para trabalhar em restaurantes, bares, hostels quando vão morar fora do Brasil. No entanto, fica a ressalva que seja qual for a área de trabalho, sempre será preciso obter autorização de trabalho antes de começar, o que é das etapas mais difíceis.

Para quem vai como estudante, antes é preciso saber se o país que deseja morar permite que estudantes trabalhem ao mesmo tempo que frequentam as aulas. É possível obter esse tipo de informação no site da Embaixada do país de destino no Brasil. Uma saída que pode dar certo para os estudantes que já possuem um visto para permanecer legalmente no exterior é ser freelancer para alguma empresa brasileira remotamente ou mesmo do país onde quer emigrar (a exemplo de Portugal, onde se pode emitir recibos verdes como trabalhador independente, sem precisar de autorização para trabalho).

Veja como tirar o visto americano

Como escolher a casa que vou morar

República, hostel, hotel, couchsurfing, aluguel, casa de amigos… A lista é grande para escolher. Se você não quer deixar nada fechado antes de chegar na cidade, reserve um hotel ou albergue e comece a procura no próprio local. O Airbnb é um site referência para alugar apartamentos por temporada de forma fácil e segura, no entanto, fique atento aos valores, que podem ser altos quando em locais muito turísticos. Procure também por grupos de aluguel de quartos caso queira uma solução mais barata. No Facebook há muitos. Pesquisar o máximo possível minimiza a probabilidade de ter dor de cabeça.

O que levar (e o que não)

Decidir mudar para o exterior é saber que vai ser necessário abrir mão de muitos artigos materiais, ou pelo menos deixar para trás por um tempo. É recomendável que só leve na mala roupas e sapatos que de fato irá usar (de acordo com a estação no país destino), artigos eletrônicos importantes e algumas recordações. Deixe os móveis grandes e artigos da casa para comprar na cidade da mudança. E as coisas que ficam? Deixe na casa de parentes, venda, desapegue.

Última dica: sua pasta de documentos e sua carteira são os dois itens mais importantes de toda a viagem e mudança, por isso, atenção redobrada!

Veja também: 
Atenção Atenção
Este conteúdo é de exclusividade do Já Fez as Malas e não pode ser reproduzido parcial ou integralmente sem autorização prévia. Caso queira referenciar o conteúdo abordado neste artigo, pode-se utilizar um link para a matéria.

Sobre o Autor

Nataly Lima

Natural de São Paulo, hoje tem a Europa como a sua base. É editora-chefe do "Já Fez as Malas?" e apaixonada por conhecer novas culturas, comer, viajar e contar histórias sobre esses e outros assuntos.

Artigos Relacionados