Não sabia o dia nem a hora.

Apenas seguia falando que ia viajar pelo mundo com a minha moto. Não me planejei para nada, não paguei minhas contas, não fechei minhas contas bancarias, não me despedi de todos, não calculei quanto tempo duraria meu dinheiro, não busquei patrocínio, neguei pedidos de todos os moto clubes que me convidaram para levar seu colete pela América.

Mas de um jeito ou de outro eu estou aqui em Cusco – Peru. Depois de 1 ano eu me encontro com saúde, com 30kg a menos, sem problemas de pressão alta, falando espanhol e inglês de verdade, calmo, feliz e com um olhar muito diferente sobre o mundo e os seres humanos.

Eu não só andei de moto, eu aprendi o real valor das coisas, poucos olhos viram tanta coisa em um ano como os meus.

Viajar nunca deveria ser lazer, viajar é puro conhecimento. Você vive em um planeta com mais de 6 bilhões de pessoas, e você quer ficar parado no seu município? Não meu amigo, crie seus caminhos, não seja só mais um.

Ainda sigo sem saber muito bem o que fazer, sigo o que me faz feliz. Não sei se chegarei no Alaska, não sei se voltarei amanhã ao Brasil, não sei nada!

E foi minha escolha viver assim por um período, para saber se o menino que trabalhava numa grande empresa de engenharia estava pronto para o mundo. E a resposta foi não.

Desde que saí do Brasil eu e oBatata sentíamos muito medo e esse medo nos mostrava que não nos preparamos para nada, não estávamos prontos para essa aventura. Medo do frio patagônico, medo da chuva que avistávamos a frente, medo de dormir em um posto de gasolina abandonado, medo de acampar no mato, medo da fria e alta Cordilheira dos Andes, medo de quando acabar o dinheiro, etc. Mas o medo se converteu em uma coragem absurda. Saí com sangue nos olhos, como um desbravador, mas com uma cabeça aberta e vazia, falei muito pouco e escutei muito. Lavei muita louça, disse muito obrigado, pedi muito trabalho, conquistei amigos para toda a minha vida.

Cara, o que posso falar desse um ano de viagem?

Que os bons ventos sempre vão existir, e que a felicidade sempre estará um passo na sua frente e buscá-la te tornará eterno!

 

Este conteúdo é de responsabilidade do autor da coluna Diário de Motocicleta e está sujeito a alterações sem aviso prévio. 

Diário de Motocicleta
Glauber Leite está viajando numa moto Yamaha Tenere 250cc. O objetivo inicial era fazer toda a Rodovia Panamericana, que vai do Ushuaia, na Argentina, até Fairbanks, no Alaska. Ele saiu do Brasil em janeiro de 2015. Você acompanha o diário da jornada aqui no Já Fez as Malas.

Acompanhe a aventura também no Facebook do Jornada 9 de Julho.

Saiba mais sobre como começou a viagem de moto de Glauber aqui.

 

Veja também:

Facebook   Nosso grupo   Twitter   LinkedIn Youtube

Atenção Atenção
Este conteúdo é de exclusividade do Já Fez as Malas e não pode ser reproduzido parcial ou integralmente sem autorização prévia. Caso queira referenciar o conteúdo abordado neste artigo, pode-se utilizar um link para a matéria.

 

Comentários do Facebook

Sobre o Autor

Redação

Equipe do Já Fez as Malas?