A virada de ano é algo simbólico, que deriva de um calendário. Este, por sua vez, é um sistema de medida de tempo que faz a contagem dos dias, agrupando estes em meses e os separando por anos. Atualmente, uma grande parcela da população mundial se baseia no calendário Gregoriano, que se baseia nas estações e que diz que o início do ano é em 1º de janeiro.

Ela é importante por ser uma demarcação do ano civil entre (quase) todas as pessoas, o que ajuda no relacionamento entre os países. Atualmente, a entrada de um novo ano é algo extremamente comemorado entre as nações, evento esse que traz consigo grandes espetáculos e lucro para os países.

Mas porque você está falando isso, vocês devem estar pensando?

A marcação de tempo existe há muitos anos e possibilita ao homem a sensação de controle sobre o próprio destino. No Brasil, muitas pessoas associam a data com rituais, símbolos e cores e a força simbólica da data tem uma conotação de fechamento e início de novos ciclos, renovação, pedidos e agradecimentos. A data remete ao que queremos deixar para trás e o que queremos ser no novo ano, o que devemos mudar para alcançar determinado objetivo.

O que você quer para o seu novo ciclo?

Se você está aqui, em um lugar onde falamos sobre a vontade de ir além, deve pelo menos cogitar o mesmo sonho que eu: o sonho de explorar o mundo.

Por isso, imagino que muitas pessoas devem iniciar ou ao menos repensar o planejamento para que isso ocorra. Muitos de nós têm o anseio de conhecer o maior número de países, uns querem conhecer um lugar apenas, outros se bastam conhecendo culturas distintas, sem que para isso seja necessário visitar diferentes continentes. Alguns têm anseios maiores como a possibilidade de se mudar por um tempo, retornar para algum lugar ou até se mudar para sempre.

O fato é que essa vontade é uma consequência de ser jovem ou ter o espírito jovem, o que acarreta em muitas dúvidas internas: Quem sou eu? Até onde posso ir? Como faço para me conhecer, me completar, me bastar? O que existe no mundo que vai abrir minha cabeça, meus horizontes, me possibilitar um crescimento espiritual, cultural e mental?

A decisão de querer ver o mundo lá fora pode estar tomada, mas, mais do que isso, devemos saber o momento certo de ir. Nunca nos esquecendo de que se trata de uma decisão que envolve o lado emocional, pessoal, profissional e financeiro não só nosso, mas também de outras pessoas que vivem conosco.

Posto isso, e uma vez tomada a decisão, é necessário fazer uma to do list que elenca os pilares da sua vida hoje, como você planeja ela daqui a um certo período de tempo e como inserir essa vontade no seu dia-a-dia, como fazer acontecer. Esse é um planejamento a ser realizado a curto ou longo prazo? Seria esta viagem/mudança realizada após um fechamento de ciclo, como a faculdade? Será ela feita após ser reunida uma quantidade “x” de dinheiro? Ela depende de mais alguém para acontecer fora você mesmo? Acontecerá ela para fins sabáticos, fins educacionais, culturais?

É muito importante uma preparação para saber exatamente o que queremos, para possibilitar que mudemos um pouco (ou muito) de ideia, para termos certeza, para fazermos valer aqueles dias acordados, aquelas horas de pesquisa, o cuidado com a compra de tudo que for necessário…Idealizar faz parte e é uma parte muito importante!

Pontos importantes a serem levados em consideração:

  • O que eu sou agora e quem eu quero ser no futuro. Planejar o que eu preciso para chegar lá. Quero alavancar minha carreira? Um curso. Quero aprender a me virar sozinha? Um mochilão, etc.
  • Pesquisar, pesquisar, pesquisar: lugares, culturas, custo de vida, clima…
  • Traçar a meta: vou fazer x em y. Está decidido.
  • Quando eu vou? O que preciso até lá? Dinheiro? Me formar?
  • Desenhar um plano. Por exemplo, se preciso juntar 10 mil reais em 1 ano, quanto posso poupar, o que fazer para guardar. E fazer desse plano algo sagrado!
  • Enquanto faz tudo isso, pensar em outras coisas: documentos, roupas, moradia, etc.

A vida é curta e só depende de nós para que pelo menos o pontapé inicial seja dado. A época é perfeita para essa reflexão. Quem é você e o que você quer para o seu futuro? O que você pode fazer por ele?

Como eu disse ali em cima, o ano novo nos traz a sensação de que poder controlar o tempo, mas não se enganem, ele é curto e requer planejamento para ser bem utilizado! Como você vai planejar o seu?

Este conteúdo é de total responsabilidade do autor da coluna Renata Benedetti. Siga também o Instagram da Renata.

Veja também:

Atenção Atenção
Este conteúdo é de exclusividade do Já Fez as Malas e não pode ser reproduzido parcial ou integralmente sem autorização prévia. Caso queira referenciar o conteúdo abordado neste artigo, pode-se utilizar um link para a matéria.
Comentários do Facebook

Sobre o Autor

Renata Benedetti

Advogada por formação, escritora por hobby e curiosa por instinto. Apaixonada por conhecer lugares e contar histórias. Sonhadora empenhada em desbravar os segredos do mundo.

Artigos Relacionados