Quem não gosta de viajar? Acho que devem existir poucas pessoas que responderiam positivamente a esta pergunta.

Já que isso é uma página sobre viagem. Eu vou considerar que existe quase 100% de chance de que você que está lendo isso agora, gosta de viajar.

Então, quero te fazer a pergunta que está no título: como você se sente quando volta de viagem?

Todo mundo quer viajar

É nítido quando alguém está prestes a viajar. A pessoa está mais animada que o normal. Talvez até mais produtiva para dar conta de tudo e finalmente descansar a cabeça.

Poderia citar mil motivos pelos quais viajar pode ser incrível: nos damos ao luxo de comer o que não costumamos comer, descansamos, conhecermos pessoas e culturas novas…. e poderia continuar aqui por horas, mas…. e quando a gente volta?

A verdade

Para mim, a volta do que chamamos “realidade” é tão ou mais importante que a própria viagem. A volta, é o indicador perfeito que vai mostrar se você precisa ou não avaliar as suas escolhas.

É a volta e prestar atenção nos nossos comportamentos, que vai determinar se a vida que a gente está levando é um peso enorme na nossa vida ou não.

É claro que a vida tem mil responsabilidades e a gente não costuma se preocupar com elas quando a gente viaja. Só que eu ainda acredito que podem existir mais coisas atrás do final de uma viagem e digo isso, porque eu já passei pelos sintomas que eu vou contar aqui.

Estou no caminho certo?

Obviamente, quase sempre vai rolar aquela de deprê básica pós viagem. Parece que ela sempre demora séculos para chegar e passam voando. Só que é importante prestar atenção até onde vai a sua “deprê pós viagem”. Se ela só termina na próxima viagem, pode ser que exista um problema maior que o seu amor profundo por viajar.

Se a sua realidade só te faz pensar na próxima viagem, é hora de avaliar se você está esperando o próximo destino ou uma fuga de uma vida que não te satisfaz.

Hoje em dia, o desejo de viajar é visto como algo bom e socialmente aceito. Temos que tomar cuidado para não se aproveitar disso, dizendo para todos que não vemos a hora de viajar de novo, quando tudo o que queremos é sair correndo de onde estamos.

Ninguém é igual a ninguém. Por isso, eu jamais colocaria regras aqui de que se você sente isso, faça aquilo. Isso é só um convite, uma deixa, para você repensar a sua vida caso se identifique com o que eu vou dizer em seguida. Sinta, se o que está escrito aqui faz sentido para você.

Sintomas

Falta de energia: se mesmo depois de passar por lugares lindos, experiências incríveis e ver coisas fantásticas, você se sente totalmente sem energia ao voltar ao seu dia a dia: repense!

Vive no passado: se você fica preso(a) a sua última viagem. Não para de falar nela, a ponto de alguém até comentar. Vive literalmente nas lembranças do passado e por muito tempo: repense!

Tristeza: se só de pensar em voltar você já fica triste, a ponto de estragar os seus últimos dias de viagem e você não consegue pensar em outra coisa: repense!

Peso: se ao sair do trabalho para viajar, parece que você sente um peso enorme saindo das suas costas. Um alívio tão grande, que parecia que estava preso (a): repense!

Fuga

Existem milhares de maneiras de fugir de alguma situação que está incomodando, mas que não sabemos como mudar. Eu percebi que uma delas é viajar.

Percebi por experiência própria, eu já viajei para fugir e voltar era muito difícil. Já fiquei com uma ansiedade enorme na volta do meu intercâmbio, só de pensar que a minha vida ia ser igual a de antes. Percebi que eu não tinha tomado nenhuma atitude para mudar a minha realidade, eu simplesmente estava cômoda no meu intercâmbio e usando ele como uma fuga.

O problema das viagens é que ,na grande maioria das vezes, elas acabam. Então, tudo volta ao normal. Fugir de escolhas que não nos deixam satisfeitos(as) e de uma vida que talvez precise de alguns ajustes, é empurrar os problemas com a barriga. É evitar o inevitável. Porque um dia essa insatisfação vai bater mais forte na porta e, provavelmente, você não vai conseguir ignorar mais.

Quando alguém diz que também gostaria de “largar tudo” para viver viajando, esquece que viver viajando também implica em um monte de novas responsabilidades. Não é porque a viagem para você serve de fuga, às vezes, que viver dela vai ser uma fuga o tempo inteiro.

A questão aqui é estar feliz e satisfeito com as suas escolhas. Por isso, existem pessoas que decidiram o famoso “largar tudo” para viver viajando e cansaram, ou perceberam que não era o tipo de responsabilidade que queriam. Quando algo passa a ser o seu “normal”, o dia a dia e não mais a fuga, o peso é diferente.

Eu te convido para olhar a viagem com outros olhos dessa vez. Percebe a sua relação com ela. Reparar nas suas reações pró e pós viagem. Entender, se a sua relação com as viagens é realmente saudável.

E se você acha necessário, se pergunte se o caminho que está tomando a sua vida tem sentido para você. Se te faz feliz. Se está só passando por um momento difícil que é passageiro ou é permanente. Se as suas escolhas estão te levando para onde você quer.

O desejo incessante de viajar, pode dizer mais do que estamos vendo. E se chegarmos ao equilíbrio em que as nossas viagens sejam maravilhosas, mas que também seja bom voltar, vamos ter a certeza que não estamos só construindo um álbum de fotos bonito e sim, uma vida com mais sentido.

Este conteúdo é de total responsabilidade do autor da coluna Julia Queiroz. Siga também o blog da Julia.

Veja também:

Atenção Atenção
Este conteúdo é de exclusividade do Já Fez as Malas e não pode ser reproduzido parcial ou integralmente sem autorização prévia. Caso queira referenciar o conteúdo abordado neste artigo, pode-se utilizar um link para a matéria.

Sobre o Autor

Julia Queiroz

Formada em Desenho Industrial, Julia Queiroz viveu em São Paulo quase toda vida. Em 2013 fez intercambio na Austrália e acabou indo parar na Espanha, onde mora até hoje. Criou o projeto "Tempo de Migrar" e compartilha suas experiências também aqui no Já Fez as Malas.

Artigos Relacionados