No mês passado, falei sobre 5 dicas que você deveria ler antes de fazer as suas malas. Desta vez, quero falar de 2 coisas que você não deve fazer ao viajar.

O fato é: quando viajam para os Estados Unidos ou outro paraíso de compras, muitas pessoas usam aquela “estratégia” de viajar com a mala quase vazia e só levar peças velhinhas, que não vão voltar na bagagem.

Se você faz isso, a gente precisa conversar!

Essa é uma das maiores frias em que você pode entrar quando viaja. Primeiro porque se você passou um tempão da sua vida planejando a sua viagem, juntando dinheiro, fazendo roteiros e sonhando com ela por noites a fio só para comprar coisas que você poderia fazer no shopping perto da sua casa, algo está muito errado…

As roupas importam e eu até trabalho com isso, mas elas são apenas uma maneira de se expressar, uma ferramenta, e não algo pelo qual a gente vive. Elas não deveriam motivar viagens e sim facilitá-las.

Sim, as roupas certas podem até te ajudar a conquistar objetivos. Um armário bem montado pode agilizar sua rotina, aumentar sua produtividade e ainda dar aquele boost na autoconfiança para que você consiga se colocar melhor no trabalho, por exemplo. Mas elas trabalham por e para você e não o contrário.

Por isso, um dos problemas dessa “tática” é que a última coisa que você vai querer é sair por aí (e nas fotos!) com um monte de roupas desgastadas, que não te fazem sentir-se incrível.

“Ah, mas Érica, eu vou às compras assim que chegar, então vou resolver isso. Essas roupas são só para que eu não fique sem nada!”.

E aí as chances de você comprar roupas que nem vai usar depois são enormes, porque você vai comprar com a pressão de ter algo novo e não a liberdade de escolher só aquilo que fica incrível.

Se você já fez isso antes, sabe do que eu tô falando… Daquela pecinha que você comprou porque ficou com medo de não encontrar algo melhor e as poucas roupas da mala não servirem. Da outra que você comprou sem nem provar direito, só porque ia dar a hora daquele jantar incrível e você não tinha nada pra vestir. Daquele sapato que era lindo na loja mas que nunca saiu nas fotos porque não teve tempo de ser amaciado antes de encarar uma maratona de passeios – e a lista segue.

Eu acredito com todas as minhas forças que cada roupa mal comprada representa uma porção de viagens não realizadas.

Por isso, te pergunto: quantas viagens estão penduradas no seu armário?

O contrário também é complicado

Na contramão, tem gente que só leva na mala as roupas “especiais”. O problema aqui é quando as roupas especiais não são as que a pessoa mais ama e usa, mas as que foram reservadas para uma ocasião incrível – e por isso, mal foram usadas.

Geralmente, essas roupas especiais são as roupas que passam a vida de castigo dentro do armário, às vezes por anos antes de verem a luz do dia.

Por isso, o que pode acontecer aqui é de chegar no hotel e, ao finalmente provar a peça, descobrir que o caimento não está mais tão bacana quanto antes ou que aquele look que você nunca tinha tentado não fica tão bom assim. Resultado: horas valiosas de passeio foram perdidas na frente de roupas espalhadas, tentando resolver o que fazer.

O que levar, então?

Além daquelas 5 dicas que eu dei no mês passado, leve roupas incríveis, com as quais você se sente bem. Que você usa com frequência, que monta looks legais em poucos minutos.

As que você sabe que dão certo.

Assim, se você resolver comprar algo vai ser porque se deparou com uma peça incrível e não pelo desespero de sair da loja com uma sacolinha. Uma peça que vai te acompanhar por outras viagens, inclusive!

Os melhores sapatos são aqueles que estão em bom estado, mas já rodaram alguns quilômetros – e por isso não vão criar uma bolha ou um machucado surpresa no meio do caminho. Se forem de solado reto, vale inclusive colocar uma calcanheira ou uma palmilha de silicone, para melhorar o amortecimento, e levar uma fita anti-atrito para evitar desconfortos gerados pelo uso excessivo de um calçado.

Para quem for viajar para um lugar de clima muito diferente do que está acostumado, vale preparar o calçado em casa, antes. Por exemplo, botas e sapatos fechados podem ser calçados com meias grossas por algumas horinhas enquanto você estiver dentro de casa, para que o couro ceda e se acomode melhor ao pé.

Mesmo que você não tenha tido a oportunidade de usá-los na rua antes da viagem, já terão dado uma boa amaciada e não vão trazer surpresas ruins!

Este conteúdo é de total responsabilidade do autor da coluna Érica MinchinSiga também o site da Érica.

Veja também:

Atenção Atenção
Este conteúdo é de exclusividade do Já Fez as Malas e não pode ser reproduzido parcial ou integralmente sem autorização prévia. Caso queira referenciar o conteúdo abordado neste artigo, pode-se utilizar um link para a matéria.

Sobre o Autor

Érica Minchin

Profissional de consultoria de imagem e apaixonada por viagens, acredita que as roupas podem facilitar nossa comunicação com o mundo e ilustrar as melhores lembranças. Busca ajudar na construção de um estilo pessoal que seja adaptável mesmo às viagens e mudanças.

Artigos Relacionados