Como eu disse no outro texto, a ansiedade pode ser definida em um estado psíquico de apreensão e/ou medo, provocada pela antecipação de uma situação desagradável ou perigosa que possa vir a acontecer.

Já que antecipamos a ansiedade, podemos pensar em antecipar também formas de minimizá-la, nos precavendo de eventuais transtornos. Quais são essas situações desagradáveis que por vezes antecipamos? Podemos tentar fazer uma lista de tudo o que temos medo de dar errado, e pensar em forma de prevenção.

Listei abaixo, algumas possibilidades, mas é importante que cada pessoa faça uma lista de seus próprios medos.

Tentar conhecer ao máximo o local que irá visitar

Nas minhas viagens, já vi muitas pessoas que pareciam não saber o que estavam fazendo ali, totalmente perdidas, e por isso, muitas vezes tensas e ansiosas, desesperadas por algum tipo de informação. Saber sobre os costumes, cultura local, tipos de atração, passeios disponíveis, valores desses passeios, locais para trocar seu dinheiro, comidas locais, etc, pode ser muito útil e ajudar a minimizar os riscos de cometer alguns erros que geram ansiedade.

Aprender palavras-chave do idioma

Saber falar ao menos o básico para se virar, é muito útil e mostra que você teve algum esforço e cuidado antes de visitar o país. A chance dos locais te tratarem melhor aumenta quando eles percebem esses esforços. Por favor, obrigada, bom dia, boa noite são palavras básicas. A clássica frase “Eu não sei falar (adicione aqui a língua do país que visita)” pode ser uma introdução educada para a pessoa prestar mais atenção em você e te ajudar.

Entender um pouco da culinária local

Para algumas pessoas não há pesadelo maior do que as refeições com pratos desconhecidos e aquele cardápio que você não consegue entender. Saber sobre pratos típicos e o que eles contêm facilita a vida, pois você pode ir já com opções de comidas que gostaria de saborear e diminuir as chances de erro ao pedir a sua refeição. Além de facilitar na hora do restaurante, saber esses detalhes pode evitar indigestões ou alergias a alimentos que você não pode ou não está acostumado a comer. Ninguém quer passar mal fora de casa, não é mesmo?

Se precaver com dinheiro

Essa dica dá trabalho, requer um estudo do lugar e é preciso paciência, Ter ao menos uma noção de quanto vai gastar com as questões básicas, como comida, passeios, hospedagem (caso ainda não tenha reservado), é essencial para um melhor aproveitamento da viagem. Feito isso, é importante que você consiga ter uma quantia extra para situações de emergência, mudança de planos no meio da viagem ou até mesmo para jantar em um restaurante mais sofisticado que você conheceu “por acidente”. Um cartão de crédito de emergência também funciona bem e pode ser a salvação. Se a viagem for internacional, lembre-se de cadastrá-lo no aviso viagem antecipadamente.

Seguro-Viagem

Em alguns países é obrigatório, mas mesmo naqueles que não tem essa regra, é aconselhável tê-lo. Este seguro pode ser somente para saúde, mas também pode englobar outros riscos, como furto e extravio de malas, dias extras de hospedagem se por algum motivo você não conseguir voltar na data certa. O seguro viagem pode te ajudar a ficar mais tranquilo e saber que terá assistência caso aconteça algo. Pesquise a diferença entre seguro viagem e assistência viagem, e também veja se o seu cartão de crédito te dá esse benefício.

Farmacinha

Leve com você todas as medicações de uso contínuo e não contínuo. Leve inclusive as mais importantes na mala de mão, pois caso sua mala seja extraviada, garantirá a sua saúde enquanto não encontrá-la. Esse foi um motivo de grande ansiedade em uma viagem com a minha mãe e nos rendeu muito nervosismo e preocupação.

Definir ao menos o primeiro percurso na cidade onde chegará com antecedência
Se você tiver fazendo a viagem por conta própria, saber ao menos como chegará do aeroporto ao hotel, é essencial. Ver opções de rota, valores, tipo de transporte que utilizará, entre outras coisas, é muito importante para sentir mais seguro. Essa atitude proporcionará mais conforto e também impedirá que você tenha uma experiência negativa ao se sentir “roubado” por pagar um preço excessivo. Achamos essas informações na internet facilmente. Use e abuse.

APP’s

A tecnologia a nosso favor. Mapas, tradutores, mapas de metrô, hotéis, waze, uber, etc. Deixe todos esses aplicativos baixados no seu celular antes de viajar e minimize muitos problemas que podem acontecer. Existem ótimos apps offline, mas dependendo do local onde você está pode ser fácil conseguir um wifi em um Mc donald´s ou Starbucks por exemplo. Comprar um chip local também pode ser uma opção para ter tudo sempre à sua mão.

Essas são algumas dicas básicas para ajudar a diminuir possíveis momentos de tensão. Não significa que a ansiedade não aparecerá, mas quando senti-la é possível pensar que fizemos todo o que tínhamos ao nosso alcance e com isso ficar mais confortados em relação a eventuais problemas.

Este conteúdo é de total responsabilidade do autor da coluna Adriana Biem | A Psicóloga Viajante. Siga também o Instagram da Adriana.

Veja também:

Atenção Atenção
Este conteúdo é de exclusividade do Já Fez as Malas e não pode ser reproduzido parcial ou integralmente sem autorização prévia. Caso queira referenciar o conteúdo abordado neste artigo, pode-se utilizar um link para a matéria.

Sobre o Autor

Adriana Biem

Adriana Biem vem refletir sobre como a atividade de viajar podem causar impacto psicológico nas pessoas por meio de seu projeto "A Psicóloga Viajante". Você encontra publicações mensais dela aqui.

Artigos Relacionados