Depois que viajamos para algum lugar, essa viagem acaba por despertar uma viagem para dentro de nós mesmos. Torna-se quase impossível que a próxima experiência não nos traga reflexões. O autoconhecimento também pode ser viciante. A busca pela nossa essência e a beleza de entendermos quem somos é algo que abre nosso mundo e expande a nossa consciência de uma maneira arrebatadora.

Não vejo mais possibilidades de viver sem me conhecer cada vez mais, não tem mais como voltar atrás e buscar a pessoa que eu costumava ser, apesar dessa pessoa estar ainda contida em mim, ela está vestida com outros tons e outros trajes. Tons e trajes que agora são escolhidos por mim. São escolhidos dessa vez por uma pessoa que sabe o que quer e sabe quem é, apesar de entender que a estrada ainda é longa. Sabe que alguns caminhos são somente de ida.

Cada detalhe é passível de observação, cada pessoa que cruza o caminho, cada diferença cultural, cada comida que experimentamos pode abrir novas possibilidades e nos deixar surpresos pelo fato de ainda ter tanta coisa para descobrir.

Todas aquelas certezas que teimamos em ter no nosso dia a dia podem desaparecer quando percebemos que na verdade existe tanta coisa que ignoramos. Nesse caso, ser ignorante é o que nos faz abertos a tudo que surge, a tudo que nosso olhar é capaz de captar quando estamos diante do novo e tudo o que nossa curiosidade permite viver.

Se assim quisermos, a viagem traz renovação, frescor e nos atualiza do velho, do que já não precisamos mais, mas teimamos em carregar, como se a vida somente fizesse sentido com aquela carga que já conhecemos. O peso da mala pode também simbolizar o peso das amarras que nos prendem a conceitos já incoerentes com o futuro que desejamos ou até com o presente que já vivemos.

É importante perceber, que isso tudo na verdade não está na viagem, mas está dentro de cada um. Não é a viagem que modificará nossa forma de ser, mas a disponibilidade de cada um ser tocado pela jornada.

Este conteúdo é de total responsabilidade do autor da coluna Adriana Biem | A Psicóloga Viajante. Siga também o Instagram da Adriana.

Acompanhe mais dicas no Facebook, Instagram e YouTube

Veja também:

Atenção: Este conteúdo é de exclusividade do Já Fez as Malas? e não pode ser reproduzido parcial ou integralmente sem autorização prévia. Caso queira referenciar o conteúdo abordado neste artigo, pode-se utilizar um link para a matéria.

Sobre o Autor

Adriana Biem

Adriana Biem vem refletir sobre como a atividade de viajar podem causar impacto psicológico nas pessoas por meio de seu projeto "A Psicóloga Viajante". Você encontra publicações mensais dela aqui.

Artigos Relacionados