Já pensou em trabalhar nos Estados Unidos? Muitas pessoas têm o sonho de viver o American Way of Life, conhecer diversas cidades famosas do país, afiar o inglês e viver a experiência cultural de ser um estrangeiro na América.

Se você está pensando em trabalhar nos Estados Unidos, vamos te mostrar como funciona a imigração e os visto de trabalho para que você realize tudo dentro da lei e também algumas opções de emprego temporários disponíveis no país.

Como trabalhar nos Estados Unidos de forma temporária

Se você pretende trabalhar nos Estados Unidos temporariamente irá precisar tirar o visto H. Para conseguir esse visto você precisará de uma petição de trabalho (Form I-129) submetida pelo empregador americano que precisará ser aprovada pelo Serviço de Cidadania e Imigração dos Estados Unidos (USCIS). Veja os tipos de vistos para trabalho disponíveis para decidir em qual categoria você se encaixa:

  • Visto H-1B (ocupação de especialista): é concedido a funcionários que pretendem trabalhar nos Estados Unidos numa função profissional pré-contratada. Para se candidatar a esse tipo de visto, o estrangeiro precisa ter no mínimo formação universitária, ou seja, precisa ter pelo menos uma faculdade com duração mínima de mínima 4 anos concluída ou uma certificação profissional de habilidades diferenciadas. Quem determina se o estrangeiro é qualificado para ocupar a vaga de especialista na função requerida é o USCIS. O empregador que irá receber o trabalhar estrangeiro precisa apresentar um pedido de condição de trabalho junto ao Departamento do Trabalho nos Estados Unidos, relativo aos termos e condições contratuais que ele está oferecendo. O visto H-1B pode durar até três anos.  Ele pode ser estendido, mas não pode passar de seis anos. Existe um limite de 65.000 vistos H-1B emitidos anualmente.
  • Visto H-2B (trabalhador qualificado e não-qualificado): é concedido a um estrangeiro que deseja realizar um trabalho de natureza temporária ou sazonal para áreas em que há escassez de mão-de-obra entre os cidadãos americanos e residentes legais. O empregador precisa obter junto ao Departamento do Trabalho um certificado confirmando que não há trabalhadores americanos qualificados para as funções nas quais se baseia a petição antes de submeter a petição (formulário 129H) junto ao USCIS. O visto H2-b tem duração inicial máxima de 1 ano, com renovação de até 3 anos.
  • Visto H-3 (Estagiário): é o concedido a estrangeiros estagiários que pretendem ir aos Estados Unidos para receber treinamento de seu empregador em qualquer área que não seja a de graduação ou treinamento acadêmico. O treinamento não pode ser utilizado para um emprego produtivo e não pode estar disponível no país de origem do solicitante. Assim como os demais vistos H, o empregador deverá submeter uma petição (formulário I-129), junto ao USCIS para obter aprovação para o treinamento.

Importante:  Ao cônjuge e filhos não casados com menos de 21 anos dos portadores do visto H-1B é permitido o acompanhamento ao país com o visto H-4.  Os portadores do visto H-4 não podem trabalhar.

É preciso ressaltar também que para tirar qualquer tipo de visto de trabalho para os Estados Unidos é preciso ter inglês fluente, que será necessário comprovar em entrevistas e relacionamentos com a imigração e embaixada. Em algumas cidades do oeste e da Flórida, falar espanhol também ajuda, já que as colônias de países latino-americanos são grandes em cidades como São Francisco e Miami.

Oportunidades para trabalhar nos Estados Unidos de forma temporária

Através de Agências de Intercâmbio – se você é um estudante universitário e quer ter a experiência de trabalhar por um tempo determinado nos Estados Unidos, pode optar pelas Agências de Intercâmbio que te guiam e facilitam o processo de conseguir um emprego temporário nos Estados Unidos. A CI é um agência reconhecida que envia estudantes para estudar ou trabalhar no exterior.

Através de programas e parcerias entre Brasil e Estados Unidos – existem diversos programas e parcerias que oferecem oportunidades para estudantes brasileiros trabalharem nos Estados Unidos de forma temporária. É o caso do Summer Work Travel (SWT) da missão dos Estados Unidos no Brasil. O programa oferece vagas de trabalho para que estudantes universitários trabalhem nos Estados Unidos durante suas férias de verão. Os alunos têm de estar matriculados em uma universidade, ter cursado pelo menos um semestre, ter inglês fluente e não perder aulas para trabalhar. O programa costuma durar entre 3 e 4 meses. Até 30 dias depois de terminar o trabalho, o estudante pode aproveitar para viajar pelo país. Veja mais informações sobre esse programa no site oficial.

Candidatando-se a vagas de trabalho – se você não é estudante, pode candidatar-se a vagas de trabalho temporário que aceitem cidadãos estrangeiros com visto para trabalho. A dica é procurar por vagas em cidades onde exista escassez de mão de obra no setor onde você quer trabalhar, assim será mais fácil conseguir uma vaga. Você deve preparar um currículo nos moldes americanos (em inglês, é claro) e propor uma entrevista via Skype.

Trabalhar nos Estados Unidos de forma definitiva

Se a sua intenção é mudar de vez para os Estados Unidos, é preciso ou ter cidadania americana ou ter Green Card (cartão de residência permanente nos Estados Unidos).

Se você não tem cidadania americana, vai precisar do Green Card. Com ele é possível gozar de quase todos os direitos de um cidadão americano, como entrar e sair do país sem a necessidade de visto e trabalhar em qualquer dos estados federados. A restrição que esse cartão exige ao seu portador  é a de não ficar mais de um ano ou sucessivos períodos longos fora dos Estados Unidos. Isso acontece porque ele é um visto de imigração permanete, e portanto pressupõe-se que a pessoa que o possui deseja efetivamente fixar residência nos Estados Unidos. Veja o que é preciso para consegui-lo.

Como adquirir um Green Card

Há muitas formas. Aqui falaremos de todas, mas sabendo que quem pretende adquirir por meio de trabalho deve se atentar a primeira.

  • Por trabalho: se você trabalha em uma empresa americana há alguns anos pode pedir o seu Green Card. Tudo depende da área que você trabalha, se for em um setor que há extrema falta de mão de obra disponível no mercado americano, é mais fácil conseguir a aprovação, caso contrário o pedido pode levar anos e até ser negado. A tempo de espera médio para conseguir um Green Card por trabalho é de 2 a 5 anos.
  • Por casamento: quem se casa com um cidadão americano pode fazer o pedido do Green Card. Nesses casos, o cartão demora em média entre 1 e 2 anos para sair. Muitas pessoas casam-se com americanos somente com a intenção de obter o tal cartão, mas isso é altamente irrecomendável. As autoridades investigam se o casamento é mesmo verdadeiro ou foi realizado como forma de burlar a imigração e se for descoberta a fraude, é considerado como crime federal.
  • Por parentesco: Se o estrangeiro tiver um parente que é cidadão americano pode pedir o seu Green Card. A demora para conseguir esse documento por essa via varia muito, há pessoas que já conseguiram com menos de um ano e outras que esperaram por até 8 anos para conseguí-lo.
  • Por investimento: quem tem dinheiro para investir no país pode conseguir o seu Green Card. O estrangeiro que investir abertura de uma empresa de 500 mil dólares em locais com alto índice de desemprego ou então em uma empresa de 1 milhão de dólares em regiões metropolitanas, pode fazer o requerimento do seu Green Card.  Também é necessário a criação de pelo menos 10 empregos para americanos ou residentes legais. Se o negócio for bem sucedido, o tempo de espera pelo cartão é de 2 a 3 anos.

Trabalhar e estudar nos Estados Unidos

Se você vai para os Estados Unidos para estudar e quer/precisa trabalhar para ajudar nas despesas do seu período em terras estrangeiras, saiba que é possível, mas é burocrático. É  preciso fazer tudo bem direitinho pois as regras de imigração do país são muito rígidas.

Existem tipos de vistos que permitem que o estudante estrangeiro trabalhe nos Estados Unidos em algumas circunstâncias.  Mas desde já alertamos: com os trabalhos que são autorizados, dificilmente você conseguirá bancar todos os seus gastos de estadia no país. Encare o trabalho de estudante como um auxílio aos seus gastos. Como um estudante internacional na América, você poderá tirar 3 tipos de visto: o M-1 visa, o J-1 visa ou o F-1 visa.

Os tipos de visto para estudantes

  • M-1 Visa: o visto M-1 é concedido aos estudantes que irão para os Estados Unidos para cursos vocacionais. Os cursos vocacionais são aqueles destinados a quem já cumpriu o ensino médio e procura conhecimentos e habilitações em áreas específicas. Veja aqui exemplos de cursos vocacionais disponíveis nos Estados Unidos. O visto M-1 não dá direito de trabalho ao estudante. No entanto, existem algumas exceções: você pode aceitar uma vaga de trabalho que possa ser considerada como um treinamento prático da sua área de estudo por até seis meses depois da conclusão do seu curso. Você pode também optar por um OPT (Optional Practical Training), que também é um treinamento da área estudada normalmente concedido para estudantes com visto J-1 mas que, com autorização, também pode ser utilizado por quem tem visto M-1. O OPT permite trabalhar até 20 horas semanais durante o semestre acadêmico e até 40 horas nas férias e o período do OPT varia de acordo com o tempo do seu curso. Para cada quatro meses de estudos com um visto M-1, o estudante tem permissão de fazer um mês de trabalho como OPT. Mas não se esqueça de pedir autorização na imigração americana antes de aceitar uma vaga de OPT para não colocar o seu visto em risco.
  • F-1 visa: esse visto é concedido a estudantes internacionais que irão fazer um curso superior integral em uma universidade americana. Com esse visto, durante o primeiro ano de curso o aluno tem autorização para trabalhar dentro do campus da universidade por 20 horas semanais durante o período letivo e 40 durante as férias. O aluno pode aceitar uma vaga em alguma empresa comercial que tenha contrato com a universidade (como por exemplo uma livraria, um café ou uma loja que esteja dentro do campus) ou pode também trabalhar diretamente para a universidade como um auxiliar de um professor ou exercer uma função que seja parte da bolsa de estudo, fellowship ou doutorado, por exemplo.

Ainda durante o primeiro ano, o aluno com visto F-1 pode conseguir da USCIS (US Citizenship & Immigration Services) autorização para completar uma Curricular Practical Training (CPT) remunerada que é uma prática obrigatória do seu curso, faz parte da grade curricular, mas o aluno estrangeiro precisa pedir autorização para que ela seja remunerada. E pode pedir também autorização para cursar o Optional Practical Training (OPT), que funciona da mesma maneira que o CPT porém não é obrigatória, e precisa de autorização da mesma maneira. Após um ano de curso com o visto F-1 o aluno já pode trabalhar fora do campus.

Essa seria a regra básica para quem tem um F-1, no entanto, há exceções e um aluno pode pedir autorização para trabalhar fora do campus no primeiro ano de curso, se e somente se: você comprovar dificuldade financeira e provar que tentou conseguir trabalhos dentro do campus mas não foi possível. Assim, você irá pedir ao USCIS uma Work Permit (Autorização de Trabalho) que custa U$380, demora 90 dias para ser concedida e é válida durante 1 ano.

  • J-1 visa: esse visto é concedido aos estudantes internacionais que irão estudar nos Estados Unidos como um período de intercâmbio, ou seja, é o mais comum. Com esse visto, os estudantes têm autorização de trabalhar somente dentro do campus e somente em funções que sejam parte de uma bolsa de estudo, fellowship, ou como assistentes acadêmicos, não é permitido trabalhar em empresas parceiras. Em casos excepcionais, assim como acontece com o visto F-1, o work permit concedido pela USCIS autoriza estudantes em dificuldade financeira a trabalhar fora do campus. Os estudantes com visto J-1 podem optar também pelo CTP e pelo OTP. É muito comum estudantes que portam o J-1 visa procurarem por trabalhos como au pair, que é legal. Saiba mais sobre essa possibilidade aqui.

“E estágio, posso fazer”?

Pode, mas existem várias regras. Veja as principais aqui:

1- O estágio NÃO PODE SER remunerado. A não ser que: o estudante com visto F-1 tenha autorização de completar um CPT ou OPT, ou então se o estudante J-1 tenha autorização para completar um Academic Training. Estudantes com visto M-1 não podem exercer atividades remuneradas que não sejam parte do curso vocacional

2- O estágio tem que ser realizado dentro de um ambiente educacional (como uma universidade, por exemplo).

3-  A atividade não pode execer as 20 horas semanais em períodos letivos

4 – O estagiário não pode substituir um funcionário assalariado

5- O estagiário precisa de acompanhamento de alguém da empresa, ou seja, o empregador precisa focar na educação e formação do estagiário.

6- O empregador não é obrigado a efetivar o estudante após o fim do estágio.

Essas são as regras básicas, mas existem outras específicas que precisam ser consultadas na instituição americana ou com o empregador, pois cada caso é um caso.

Se você ainda ficou com alguma dúvida em relação a trabalhar e estudar nos Estados Unidos, consulte o site do USCIS (US Citizenship & Immigration Services), lá você irá encontrar as explicações específicas para todos os casos.

“Posso trabalhar nos Estados Unidos com visto de turista”?

O visto de turista é para fazer turismo e nada mais. Os Estados Unidos são os mais rígidos quanto a legislação de imigração, e por mais que muita gente entre no país e fique por lá trabalhando, isso não é ilegal e pode trazer muitos problemas.

Com o visto de turista, você pode permanecer no país por até 6 meses. Em tese, o visto de turista pode ser renovado por até 2 vezes se o estrangeiro estiver no país, é isso que a lei de imigração afirma (ou seja, você poderia ficar até 1 ano e meio nos Estados Unidos como turista). No entanto, isso não é nada fácil, pois raras são as pessoas que conseguem comprovar que estão no país fazendo turismo por tanto tempo. Os funcionários da Imigração vão investigar a fundo de onde é que o estrangeiro está tirando dinheiro para viver como turista por tanto tempo no país, já que você não é autorizado a trabalhar por lá. A não ser que você tenha muito dinheiro ou seja sustentado por alguém que tenha e consiga provar isso às autoridades americanas, você precisa sair do país em até 6 meses e não pode trabalhar por lá.

“Vale a pena trabalhar nos Estados Unidos”?

Essa é a pergunta que não quer calar. Todo mundo ouve falar sobre as oportunidades de trabalho e do “sonho americano” de viver o estilo de vida de lá. Mas, vale mesmo a pena?

A resposta não é única. Tudo vai depender do trabalho que você vai exercer e da sua intenção. Há pessoas que amam a experiência e outros que não se adaptaram e o período foi muito difícil.  Quem deseja melhorar o inglês, conhecer o país e ter uma experiência no exterior  pode ser uma excelente ideia. Muitas pessoas vão para lá também na intenção de juntar algum dinheiro. Mas a decisão se vale ou não a pena depende de uma série de fatores que você deve considerar:

  • Depende de qual a sua situação financeira atual, pois morar nos Estados Unidos não é barato.
  • Depende do seu objetivo ao trabalhar no país.
  • Depende do seu grau de escolaridade e da profissão que você irá atuar.
  • Depende do quanto você é apegado ou desapegado com a família e com os costumes do Brasil.
  • Depende da sua facilidade em adaptação em situações novas e em fazer novos amigos.
  • Depende se você tem vontade de se integrar à cultura americana e conhecer o país.

E esses são apenas os primeiros fatores a considerar antes de julgar se vale a pena trabalhar no país. Não existe uma fórmula secreta para saber se será bom para você, é preciso ponderar os fatores acima que podem te dar uma ideia se valerá a pena para você ou não.

Gostou deste artigo? Acompanhe mais dicas também no Facebook e YouTube

Veja também:

Atenção Atenção
Este conteúdo é de exclusividade do Já Fez as Malas e não pode ser reproduzido parcial ou integralmente sem autorização prévia. Caso queira referenciar o conteúdo abordado neste artigo, pode-se utilizar um link para a matéria.