Descobrindo as belezas do Vale do Douro

Continuando a jornada dos posts anteriores, depois de Porto, chegamos ao Pena Park Hotel. Aqui foram dois dias intensos de visitação no Douro. O primeiro destino foi uma das 27 quintas que pertencem a Symington Family Estates, um dos maiores produtores de vinho de Portugal.

Mas, até chegar na quinta, o percurso pela estradinha sinuosa no Vale do Douro é de perder a respiração, pois sua beleza e encantamento naturais enchem os olhos. Ao nos depararmos com o Rio Douro que corta a paisagem infinita de vinhas e oliveiras, há uma paleta variada em tons verdes e, agora no outono, a minha estação preferida, amarelos, laranjas e vermelhos.

O encantador Vale do Douro

Nas encostas em Socalcos do Vale, são cultivadas as uvas que produzem o famoso vinho do Porto e do Douro. Essa paisagem foi classificada como Patrimônio Mundial pela UNESCO em 14 de dezembro de 2001 e pode ser apreciada tanto pela estrada (como nós fizemos) como também de barco (muitas agências de turismo oferecem vários tipos de pacotes que incluem degustação de vinho e almoços a bordo, por exemplo) ou de trem. Partindo do Porto, as opções são variadas.

O Vale possui 5 miradouros que são de cair o queixo e a parada é obrigatória para apreciar a vista deslumbrante da região: São Leonardo da Galafura, Quinta do Noval, Casal de Loivos, São Salvador do Mundo e Quinta do Vale Meão.

O Rio Douro é o terceiro maior da península Ibérica com 897 quilômetros de extensão e irriga as videiras às suas encostas íngremes. Nasce na Espanha, atravessa o norte de Portugal e termina na Foz do Douro,  que fica no Porto e Vila Nova de Gaia.

Até o final do século XIX, o rio era a via de transporte que ligava a cidade ao interior e os barcos rabelos eram as únicas embarcações que levavam as pipas de vinhos das quintas até à foz, transpondo todos os obstáculos naturais. Um ponto interessante é que, a bordo do rabelo, as pipas de vinhos nunca viajavam completamente cheias pois poderiam flutuar caso algum acidente acontecesse.

Pinhão e Peso da Régua

Os pontos que os turistas mais frequentam na região duriense é Pinhão e Peso da Régua, principalmente porque a estrada nacional 222, que liga as duas cidades, tem uma vista maravilhosa. Os 25 km da rodovia são literalmente às margens do Rio Douro.

Na Régua é possível visitar o Museu do Douro que conta sempre com mais de duas exposições, uma temporária e outra permanente. Neste momento, a temporária conta a história da linha férrea que foi desativada.

A permanente é sobre a história da viticultura e enologia em ordem cronológica (incluindo as ferramentas, vestimentas, maquinários e equipamentos de laboratório utilizados antigamente), a história dos barcos rabelos, documentos (como mapas e diários de bordo), a produção de vinho do Porto (incluindo uma parede interativa em que o visitante pode sentir todos os aromas identificados no vinho).

Museu do Douro tem dois horários de funcionamento:

  • Todos os dias, durante o verão: de 1 de março a 31 de outubro – das 10h às 18h;
  • Inverno: de 1 de novembro até 28 de fevereiro – das 10h às 17h30;
  • Fechado em 1 de janeiro, 1 de maio e 25 de dezembro.

Quem tem carteira de estudante paga meia entrada, sem direito à degustação de vinho no final da visita. Já a entrada inteira inclui a degustação na esplanada.

No Pinhão, a estação de trem possui azulejos antigos dedicados à cultura da vinha. Para quem vai de carro, dá para explorar mais a região visitando as cidades aos arredores do Douro que abrange os distritos de Bragança, Vila Real, Viseu e Guarda. Sem contar os restaurantes com comidas típicas artesanais que são fartas e muito saborosas.

As quintas visitadas no Vale do Rio Douro foram as seguintes:

  1. Quinta do Bomfim, da Symington Family Estates, está situada em Pinhão. Super infraestrutura e os guias de enoturismo são extremamente simpáticos.
  2. Quinta do Vallado, situa-se em Peso da Régua, às margens do Rio Corgo, afluente do Rio Douro, e foi construída em 1716. Possui um wine hotel muito aconchegante e de bom gosto.
  3. Quinta da Foz, também situada em Pinhão e possui, na minha opinião, o melhor vinho do Porto branco, meio seco. Excelente equipe e o almoço harmonizado foi incrível.
  4. Quinta do Seixo, da Sandman. Além de poder escolher entre os seis tipos de degustação de Porto, há a possibilidade de realizar um piquenique ao ar livre entre as vinhas.

Para fazer visitação nas diversas quintas do Douro, é preciso marcar com antecedência, pois o enoturismo pode ser feito em outras línguas, além do português, em horários específicos.

Próxima parada: Dão!

*Algumas informações foram pesquisadas no site do Instituto da Vinha e do Vinho e Visitar Porto.

Este conteúdo é de total responsabilidade do autor da coluna Roberta OrtolanSiga também blog da Roberta.

 

Acompanhe mais dicas no Facebook, Instagram e YouTube

Veja também:


Chip com internet nos EUA

Envie e receba dinheiro no exterior

Melhores Hotéis e Hostels

Booking.com

Voos Baratos