Já ouvi algumas vezes, principalmente quando as coisas no Brasil estão um pouco complicadas, que é hora de sair do país o quanto antes. Será que essa é a hora certa?

Está todo mudo querendo mudar…

Está claro que, quando a economia de um país não está bem, a tendência é que as pessoas queiram buscar oportunidades melhores. Aconteceu aqui na Espanha também. Muitos jovens foram embora quando a taxa de desemprego chegou nos 50% entre eles.

Além do desemprego, os salários caíram drasticamente. O que fez com que muitos jovens com especializações também mudassem de país. Chamam isso que aconteceu aqui de “fuga de cérebros“.

Sem fazer uma pesquisa profunda, mas me baseando nas notícias que costumo ler, isso pode ou é o que está acontecendo no Brasil. Não é à toa que eu vi esses dias uma notícia falando que as solicitações para estudar este ano em Portugal mais que duplicaram.

A economia, nesse caso, é somente a ponta do iceberg. Já sabemos dos muitos problemas do Brasil que vamos enfrentando no nosso dia a dia: a segurança, corrupção, desigualdade, etc. Talvez a economia, só tenha sido a última gota para muita gente.

Então, é hora de partir?

Depois de falar tudo isso, pode parecer que o que eu tenho para dizer é: “Vamos galera, é hora de partir. O último fecha a porta e apaga a luz!”

Só que a verdade, é que eu quero dizer exatamente o contrário. Eu não acho que tudo isso indica que é hora de viver em outro país.

Eu sei que esses fatores pesam e muito. Sei como é boa a sensação de sair para pegar meu carro falando no telefone à meia noite. Situação que passou comigo ontem e que eu sei que é o desejo de muitos brasileiros por aí. Situação que eu gostaria que fosse comum para todo mundo.

Só que, mudar de país engloba tantas coisas, que a economia ou qualquer problema do país, podem ficar de lado às vezes. Não é à toa que ao mesmo tempo que tem muita gente indo, tem gente voltando. São tantas coisas para levar em consideração quando mudamos, que dependendo das prioridades da vida de cada um, a balança pesa mais para voltar.

Por isso, não existe uma hora certa, marcada por fatores externo, que diga quando temos que partir. Tem que ser uma decisão interna, íntima e só sua.

Só você sabe o peso e a importância de cada coisa na sua vida. Vai ser melhor para você analisar todos as vantagens e desvantagens dessa decisão para saber se realmente é a melhor opção para você!

No meu projeto “Tempo de Migrar”, onde eu falo sobre viver em outro país, o logotipo é um pato imigrando. Eu queria que fosse algum animal. O motivo, e é que eles sentem que é hora de partir.

Eles percebem que aquela temperatura não é mais a mesma, que as coisas estão mudando e simplesmente sabem que tem que imigrar. Eu queria explicar que mudar de país é a mesma coisa. A gente tem que sentir que essa é a melhor decisão para nós.

E se, por acaso, algum dia você mudar e sentir que é hora de voltar, tente não ignorar esse sentimento. Que você pelo menos pense com carinho, que escute as suas intuições. Não é porque todo mundo diz que o melhor lugar para estar é fora do Brasil, que isso vai ser o melhor para você.

Não custa nada avaliar sempre que o nosso coração parecer que está pedindo algo. E se você der atenção para o que você sente que deveria fazer e não só seguir o que a maioria faz, tenho certeza que vai saber a hora de partir (ou não…).

Este conteúdo é de total responsabilidade do autor da coluna Julia Queiroz. Siga também o blog da Julia.

Veja também:

Atenção Atenção
Este conteúdo é de exclusividade do Já Fez as Malas e não pode ser reproduzido parcial ou integralmente sem autorização prévia. Caso queira referenciar o conteúdo abordado neste artigo, pode-se utilizar um link para a matéria.

Sobre o Autor

Julia Queiroz

Formada em Desenho Industrial, Julia Queiroz viveu em São Paulo quase toda vida. Em 2013 fez intercambio na Austrália e acabou indo parar na Espanha, onde mora até hoje. Criou o projeto "Tempo de Migrar" e compartilha suas experiências também aqui no Já Fez as Malas.

Artigos Relacionados