Engana-se quem pensa que não neva em Portugal. Nas cidades mais à costa, como Lisboa e Porto, por exemplo, é um fenômeno raro. No entanto, em regiões mais interiores, como Trás-os-Montes, ela é presença praticamente garantida durante o inverno. A Serra da Estrela é um destino obrigatório para quem está no país e sonha com pistas de esqui, bonecos de neve e tudo o que a ocasião pede.

Se para os adultos, a neve é puro encantamento, para as crianças, o passeio pode render memórias ainda mais marcantes. Por isso, o Já Fez as Malas preparou um guia prático pensando em “miúdos e graúdos” que querem ter o seu momento Frozen em terras lusitanas.

Como chegar

A Serra da Estrela é a região mais alta de Portugal continental e está localizada no Centro do país. O seu pico, na Torre, fica a 1.993 metros de altitude. Abrange os concelhos de Seia, Manteigas, Guarda, Gouveia, Celorico da Beira e Covilhã. É um destino incrível para o contato com a natureza durante o verão, mas o seu ápice é mesmo durante o inverno com os nevões.

Durante nevascas intensas, é impossível chegar às partes mais altas. Por isso, para aproveitar bem esse destino, o melhor é ir em um dia de sol depois de uma nevasca. Dessa forma, o cenário estará branquinho e as estradas seca, tornando o passeio mais seguro.

Os viajantes podem chegar à Serra da Estrela de ônibus, seja em passeios turístico fechados ou em linhas convencionais com destino à Covilhã, de carro ou de comboio, usando as linhas Beira Alta ou Beira Baixa. Dessas opções, a viagem de carro provavelmente é a mais cara levando em conta os custos com combustível e as portagens. No entanto, é também a que dá mais liberdade, uma vez que é possível parar onde quiser para tirar fotos, por exemplo. Acredite, vai ser difícil resistir quando o cenário começar a ficar tal como nos filmes.

Estrada até a Serra da Estrela

Do Porto à Torre são cerca de 3h de viagem de carro, sendo uma boa parte do caminho feita em estradas nacionais (uma via de cada lado e passando por dentro de algumas aldeias). Quem decidir dirigir até lá, precisa de bastante atenção e cuidado. Esta é uma zona com muitas curvas e desfiladeiros. Caso haja muita neve, convém usar correntes especiais nos pneus que ajudam com a tração.

Sabendo que está com crianças, lembre-se de fazer paradas estratégicas e de levar snacks. Há lojas de conveniência pela estrada, mas, tal como no Brasil, vendem tudo a um preço inflacionado.

Hospedagem

Os passeios turísticos, especialmente os que saem do Porto, costumam ser apenas um bate e volta. Ou seja, a hospedagem não é uma preocupação porque todos voltam para casa no mesmo dia.

No entanto, se você vai dedicar mais um tempo para conhecer as belezas da região, vale lembrar que os hotéis na Serra são disputados nessa época do ano. Caso não encontre nada que vá de encontro aos seus interesses, considere ficar em cidades próximas ou no caminho, como Viseu, por exemplo. Dá até para unir o útil ao agradável e conhecer novas cidades.

Confira abaixo alguns estabelecimentos hoteleiros da região:

O que vestir e levar

Esse é um ponto importante, principalmente para quem viaja com crianças. A menos que você esteja acostumado com temperaturas negativas, a vestimenta gera sempre alguma dúvida. E uma coisa é certa: se o look não for acertado, o frio pode estragar o passeio de alguma forma.

Por isso, o melhor é seguir essas dicas:

  • Roupa térmica e impermeável, principalmente para as crianças, é fundamental;
  • Projeta muito bem as extremidades do corpo, com foco nas mãos e nos pés. Luvas apenas de lã não adiantam. É preciso que seja feita de um material impermeável por fora e quente por dentro. Lembrem que o gelo queima e as crianças adoram tocar em tudo;
  • O mesmo vale para os sapatos. Botas com forro por dentro são as mais indicadas;
  • Gorro também é imprescindível, especialmente para as crianças menores.

O melhor é que a roupa e os acessórios sejam adquiridos em lojas de material esportivo, como a Sport Zone ou a Decathlon. Se não quiser gastar dinheiro a mais com isso, invista pelo menos em uma camada interior térmica e luvas bem resistentes.

Você vai reparar que muita gente, com e sem criança, leva pás de neve, escorregadores e trenós. Esse é o material para a diversão! Qualquer pequena elevação pode render gargalhadas por horas. Esses objetos podem ser encontrados em lojas de material de esporte ou mesmo nos estabelecimentos comerciais que ficam na beira da estrada, na própria região da Serra. Pás saem por, em média, 1,50€ e os escorregadores, dependendo do modelo, ficam a partir de 5€.

Escorregadores em uso na Serra da Estrela, em Portugal

Quanto tempo ficar

Como já foi dito, há quem faça o famoso bate e volta. Dependendo da distância, essa opção pode não compensar, principalmente para quem tem que dirigir. Como já foi mencionado, a estrada exige bastante atenção e o melhor é dirigir descansado.

Para que todos possam aproveitar o que a neve tem a oferecer com calma, mais vale ir em um dia e voltar no outro. Um fim de semana é perfeito. Assim, dá para conhecer também aldeias locais e respeitar o tempo das crianças que, todo mundo sabe, é geralmente bem diferente do tempo dos adultos.

No mais, a palavra de ordem é aproveitar, especialmente se é a primeira vez que vão todos ver a neve (como foi o meu caso 😉 ). Tire muitas fotos porque a luz do local é perfeita e a paisagem e de tirar o fôlego.

Dica de ouro: A EN 338, sentido Torre-Covilhã, é uma via belíssima com muitos pinheiros e pouco tráfego. É daqueles cenários cinematográficos e que rendem ótimas fotos em família. Aproveite os recuos da estrada para parar e fazer alguns cliques.

Acompanhe mais dicas também no Facebook e YouTube

[su_service title=”Atenção” icon=”https://www.jafezasmalas.com/wp-content/uploads/2015/06/jfam-simbolo.png” size=”30″]Este conteúdo é de exclusividade do Já Fez as Malas e não pode ser reproduzido parcial ou integralmente sem autorização prévia. Caso queira referenciar o conteúdo abordado neste artigo, pode-se utilizar um link para a matéria.[/su_service]

Sobre o Autor

Romana Naruna

Jornalista, piauiense de raiz, carioca de passagem, portuense de coração. Mudou-se para Portugal por amor e descobriu aquilo que chamam de segunda casa.

Artigos Relacionados