Uma das principais preocupações que eu e o Gui, meu namorado, tivemos quando decidimos mudar de país foi: como vamos levar nosso dinheiro?

Pesquisamos bastante e resolvemos repartir nossas economias em três frentes: a primeira, levar um pouco do dinheiro em nota viva – uma quantia relativa a um mês de vida no exterior, apenas para cobrir eventuais gastos iniciais.

A segunda, ativar o cartão viagem que tínhamos direito no nosso banco do Brasil – na verdade essa é uma boa opção para cobrir gastos emergenciais pois o câmbio praticado costuma ser mais caro.

E, finalmente, a terceira: abrir uma conta no local de destino e transferir o dinheiro do Brasil por meio do Transferwise. Abaixo, explico como abrimos conta bancária na Itália e em Portugal, os dois países em que moramos (até agora) em 2017! Lembrando que os relatos são muito particulares e cada caso é um caso!

Abrir conta na Itália

O que procurávamos era simples: uma conta que não cobrasse mensalidade e um cartão que pudéssemos alimentar com transferências do Brasil, usar em qualquer estabelecimento e, claro, sacar dinheiro em caixas 24h. Encontramos todas essas facilidades com o Postepay, que é um cartão pré-pago e que dispõe do número de IBAN (necessário para fazer as transferências pelo Transferwise) – esse cartão é um serviço do Poste Italiane, que além de correio, é banco e possui muitas agências pela Itália.

Para solicitar este cartão, precisamos apresentar alguns documentos e como o Gui era cidadão italiano, foi simples: mostramos a identidade italiana dele e o codice fiscale (equivalente ao CPF brasileiro). Pagamos 5 euros no ato e carregamos com 20 euros o cartão, o mínimo exigido para ativá-lo.

A primeira vez que usamos nos assustamos: fizemos uma compra de 24 euros no supermercado e na hora de pagar, a atendente encostou o cartão na maquininha e pronto: pago! Ficamos com uma cara de “ué… e não precisa colocar a senha?”. Depois descobrimos que a senha só era necessária para compras acima de 25 euros… Então fica a dica: guarde bem seu cartão! Quanto as transferências, nunca tivemos problemas e o internet banking funciona que é uma beleza.

Como resolvemos migrar para Portugal, resolvemos continuar com nosso Postepay e quando chegássemos por lá abriríamos uma nova conta e é aí que você me pergunta: mas… qual a necessidade disso, já que a moeda é a mesma? Bem, para sacar dinheiro com o cartão italiano em Portugal, você paga 1 euro por transação. E também qualquer problema que acontecer, sua agência é em outro país. E alguns lugares não aceitam cartões estrangeiros. E falar italiano é complicado… brincadeira! Então, vamos ao próximo tópico.

Abrir conta em Portugal

Como já tínhamos um histórico feliz com o serviço bancário do correio italiano, resolvemos procurar o banco do correio em Portugal (criatividade é tudo!). Fizemos um comparativo entre o Banco CTT e outros que possuem agências perto de casa e decidimos que ele era mesmo a melhor opção para o nosso momento de vida.

Como sou cidadã portuguesa foi também fácil de abrir a conta: apresentei o cartão do cidadão (com o NIF – que é o nosso CPF brasileiro), comprovante de residência e comprovante de estudo (ou de renda). O cartão oficial chegou em duas semanas e carregamos com 100 euros, o mínimo necessário para ativação da conta. O internet banking e o atendimento é ótimo, então sem reclamações por enquanto!

Enfim, se seu plano de vida é mudar de país, a ideia de abrir uma conta no local é interessante pelo simples fato de que você poderá transferir dinheiro com segurança, efetuar pagamentos, compras online, não andar com dinheiro vivo e o principal: evitar as (infinitas) moedinhas!

Este conteúdo é de total responsabilidade do autor da coluna Melissa Costa. Acompanhe também o blog Fifty-Fifty.

Veja também:

Atenção Atenção
Este conteúdo é de exclusividade do Já Fez as Malas e não pode ser reproduzido parcial ou integralmente sem autorização prévia. Caso queira referenciar o conteúdo abordado neste artigo, pode-se utilizar um link para a matéria.

Sobre o Autor

Melissa Costa

Melissa se mudou para a Itália e agora tem que "parlare italiano". Acredita que nesse processo 50% é planejamento e 50% diversão. Compartilha suas experiências no blog "Fifty-Fifty" e aqui no Já Fez as Malas.

Artigos Relacionados