Paulo Coelho, o “redescobridor ” maluco beleza do Caminho de Santiago disse outro dia que sonhar é uma forma de oração e para subir a montanha mais alta de Machu Picchu, só rezando!

Existem duas montanhas: Machu Picchu e Huayna Picchu. É preciso escolher antes, comprar ingressos (disputados) e rezar! A montanha Machu Picchu significa  velha montanha” e a outra “jovem montanha”.

A Huyana é a mais procurada por ter uma subida menos cansativa, mas seu caminho é bastante estreito nos seus 270 metros.

A outra montanha tem uma subida de 608 metros, com muitos degraus e partes bem estreitas. Conforme você vai subindo, vai dificultando ainda mais na descida para pessoa com pés grandes. Não é definitivamente o meu caso.

Mas, falando em mim, lá fui eu com meus pezinhos pequeninos (31, acreditem!) sendo um com uma bolha enorme e o outro enfaixado. Havia torcido o pé 4 dias antes nas calçadas do bairro boemio Barranco, nos arredores de Lima.

Mas, para realizar um sonho temos que lutar e por que não sofrer…

Chegando em Machu Picchu, resolvi que faria o enorme esforço como uma forma de homenagear minha mãe que já se encontra nas alturas. A primeira hora até que foi relativamente fácil. As folhas de coca me davam força, fôlego e coragem.

Mas, cada vez que pensava em desistir me deparava com pessoas bem mais velhas com o maior pique. Até perguntei para um casal de americanos a idade deles, mas eles se recusaram a responder.

Aprendi mais uma vez o verdadeiro significado do amor. Nunca casei na igreja, nem no cartório, mas com certeza casei nos degraus de Machu Picchu.

Aprendi mais uma vez o verdadeiro significado do amor. Nunca casei na igreja, nem no cartório, mas com certeza casei nos degraus de Machu Picchu.

Cada mão que me erguia degrau acima, cada gesto, cada palavra de incentivo valem mais que muitos papéis… A força do amor tem poder!

Dizem que para percorrer o Caminho de Santiago com sucesso, 25% é trabalho físico e 75 % psicológico (fonte: blog vagamundo)
A psicologia do amor move montanhas!!!!!!

Fui a última a chegar ao topo após mais de 5 horas. Vi muitos jovens desistindo pelo caminho. Posso dizer que ganhei a pedra sagrada no topo da montanha e guardo ela ao lado do porta retrato com a foto da minha mãe. Ganhei também a certeza que a fé, a vontade e o amor te levam para cima.

Ao chegar no topo fui recepcionada pelo vigia que precisava “encerrar” os trabalhos. Mas, quando ele viu meu estado foi logo oferecendo um líquido milagroso com uma serpente dentro, para passar nos meus pês… coisas do xamã.

E por ação do milagre, voltei a andar e consegui descer em uma hora e meia.

Voltando para casa diagnosticaram quebra do quinto metatarso. Bota ortopédica por 6 semanas e a certeza que o amor move montanhas!

Este conteúdo é de total responsabilidade do autor da coluna Ciça Cioffi.

Veja também:

Atenção Atenção
Este conteúdo é de exclusividade do Já Fez as Malas e não pode ser reproduzido parcial ou integralmente sem autorização prévia. Caso queira referenciar o conteúdo abordado neste artigo, pode-se utilizar um link para a matéria.

Sobre o Autor

Ciça Cioffi

Cecilia Cioffi tem 52 anos, aposentada, e não se cansa de fazer as malas. Ela compartilha o que tem visto mundo afora aqui em sua coluna.

Artigos Relacionados