Muitas coisas assustam quando você vai estabelecer uma vida em outro país, mas talvez a mais assustadora delas seja iniciar uma carreira nova. Se já é assustador aventurar-se pelo mercado de trabalho em casa, imagine em outro país.

Antes de tudo, é preciso, assim como no Brasil, dedicação. É preciso ainda conhecer também a cultura de emprego daquele país: quais os termos de busca apropriados? Esses termos são uma tradução direta dos termos brasileiros? Quais os melhores canais de anúncio de emprego? Que tipo de linguagem utilizar no currículo? Essas são só algumas das dúvidas que qualquer pessoa em busca de um emprego em um novo país tem. Parece um bicho de sete cabeças? É, um pouco. Mas estamos aqui para ajudar.

Vamos falar do começo

Em alguns casos (arrisco-me a dizer que na maioria deles), o seu primeiro emprego em Londres será bem diferente do que você esperava. Trabalhos em restaurantes, lojas ou hotéis (o termo de busca aqui para esse emprego é “hospitality” ou “catering”) são os mais comuns, já que normalmente não exigem que você tenha uma experiência no setor. Muitas vezes, são até flexíveis com seu nível de inglês e com horários (uma chance para você estudar ou fazer um cursinho de inglês).

Talvez não seja o emprego dos sonhos de muita gente, mas eles oferecem algo de grande valor no Reino Unido: referência.

Uma referência de emprego em Londres é uma ajuda (e pense numa ajuda!) para você conquistar aquele emprego que você tanto deseja. A maioria das empresas exigem dois nomes (com número de telefone, endereço e email) para serem contatados e que possam confirmar que você será um bom empregado. Vale lembrar que o amigo de infância não vale: as referências têm que vir de alguém que trabalhou com você.

Empregos na indústria hoteleira e alimentar podem ajudar também a melhorar o seu inglês. O dia a dia nesse tipo de emprego exige comunicação direta, em inglês, com clientes e outros funcionários. Mesmo que você não saiba falar bem a língua, os empregos de Back of the House (BOH) – ex. assistente de cozinha ou Kitchen Porter, em inglês – que não exigem um tratamento direto com clientes, vão ajudar você a melhorar o idioma, já que seus colegas de trabalho provavelmente não falarão português.

Homem preparando cafés para servir

Procurando emprego

Mas vamos falar do básico. Há três pontos importantes que você deve levar em consideração quando fizer seu currículo: grafia correta, contatos e precisão.

Seu currículo não pode ter erros gramaticais. Não confie em tradução do Google Tradutor. Termos muito utilizados em português talvez não façam sentido quando traduzidos literalmente. Se puder, peça ajuda para alguém que tenha mais conhecimento em inglês.

Coloque um número para contato, caso a empresa queira falar com você. Email também tem que estar no seu currículo, assim como seu endereço. E importante: se você estiver em busca de emprego, mantenha seu celular por perto. A empresa pode ligar a qualquer hora e, se você não atender, o próximo da lista irá. Telephone Screening é uma espécie de pré-seleção de candidatos. Não são todos os currículos que serão chamados para uma entrevista face-to-face.

O currículo tem que ser sucinto, direto e atual. Tente limitar seu currículo apenas a uma página. Pense que são muitos candidatos e a empresa não tem tempo de ler curricullum lattes de ninguém, a não ser que a vaga que você está disputando seja acadêmica. Escolha suas experiências mais importantes e as que tem mais a ver com a posição de emprego ofertada.

Outras dicas importantes

Procurar emprego em Londres é mais que enviar milhões de currículos por dia. Especialmente se você está em busca de alguma posição que exige experiência na área, como jornalismo, marketing, advocacia ou até empregos como coordenador de escritório. Seu currículo deve ser feito de acordo com a vaga que você pretende se candidatar.

Além do currículo, enviar uma cover letter para a empresa ajudará você a se destacar entre os demais candidatos. A cover letter nada mais é do que um pequeno texto (por volta de três parágrafos) explicando por que você é o melhor para aquela vaga. Há vários modelos na internet que podem servir como inspiração, mas lembre-se de não cair em senso comum e usar os mesmos termos. Se você puder relacionar suas qualificações com as das descrições da vaga, melhor ainda.

É preciso paciência. Pode demorar meses ou até anos para você conseguir aquele tão sonhado emprego na sua carreira. Fazer trabalho voluntário na área pode te ajudar e muito em conseguir aquilo que você quer, além de ajudar com a adaptação às diferenças que é trabalhar em sua área em outro país.

Registre-se em sites de busca de emprego. Vários são de graça e muito utilizados por empresas ou agências de emprego na busca por candidatos. Posso dar como exemplos: cv-library.co.uk, Job Today (app de celular) e o indeed.co.uk.

Cuidado com os termos de busca que utilizar. Às vezes, eles não são uma tradução direta de títulos de emprego em português. Cuidado com os títulos manager, executive e officer; eles expõem diferentes níveis de hierarquia e exigem mais ou menos experiência na área.

Não desanime se você recebe vários “nãos”. Lembre-se que a competição em Londres é imensa, em qualquer setor. Se precisar de ajuda, o site do governo britânico tem uma seção só sobre busca de empregos.

Por último, boa sorte! Espero que essas informações ajudem a achar aquilo que você quer fazer e que tornem mais fácil sua busca por emprego.

Acompanhe mais dicas também no Facebook e YouTube

Este conteúdo é de total responsabilidade do autor da coluna Lívia Moura.

Veja também:

[su_service title=”Atenção” icon=”https://www.jafezasmalas.com/wp-content/uploads/2015/06/jfam-simbolo.png” size=”30″]Este conteúdo é de exclusividade do Já Fez as Malas e não pode ser reproduzido parcial ou integralmente sem autorização prévia. Caso queira referenciar o conteúdo abordado neste artigo, pode-se utilizar um link para a matéria.[/su_service]

Sobre o Autor

Lívia Moura

Jornalista de formação, social media de experiência, graphic designer na minha imaginação. Do Piauí, cruzei o Atlântico e cá estou, em Londres. Como diria a Rainha Elizabeth I: video et taceo ("Vejo e digo nada").

Artigos Relacionados