Muitas primeiras vezes

Olá, tudo bem?

Mudança, uma palavra relativamente pequena que pode envolver tantas coisas, um mix de sentimentos e muitas primeiras vezes. E quando eu falo em mudança não me refiro apenas a mudança territorial não, quero dizer qualquer tipo de mudança. Às vezes você pode resolver mudar algo relativamente simples – a maioria das mudanças não são simples – como sua alimentação ou qualquer hábito da sua vida que vai ter que se readaptar diante a todas as consequências que essa mudança vai trazer.

Mudando de país

Mas como o papo aqui é quase sempre sobre mudar de país/cidade vou falar sim sobre a mudança territorial, no meu caso do Brasil/São Paulo para Portugal.

Claro como você já deve imaginar que muita coisa muda e ao mesmo tempo não muda tanto assim. Ficou confuso? Sim, mas eu explico. Quando você chega em Portugal parece tudo muito novo e diferente. De fato é, mas ao mesmo tempo não, pois fomos colonizados por eles e com o tempo a gente descobre que temos muito mais em comum com eles do que apenas o idiota.

Português de Portugal

Aliás, retorno ao tema do texto começando por ele: o idioma. A primeira vez que ouvi o português sendo dito aqui pensei: ferrou, não vou entender nada tão cedo! Sério, parecia que eles falavam qualquer outro idioma menos português, quando eles estão conversando entre eles eu confesso que por vezes ainda tenho essa sensação rs, mas calma! É só no começo, eu juro que em poucos dias aqui você vai tirar isso de letra e conforme o tempo passa você vai naturalmente se acostumar e até repetir muitos dos termos que eles usam, e nem precisa se forçar a isso, afinal eles consomem muito da nossa cultura e sempre vão entender muito bem tudo que falamos.

Transporte

Outra primeira vez que me marcou muito: andar de transporte público sozinha, especificamente de trem ou metrô. Pra ser sincera eu nem estava totalmente sozinha, o Fe (meu marido) estava comigo – sim, porque nos primeiros dias resolvemos muitas coisas juntos e além do mais ele veio de uma família de portugueses e sempre teve uma facilidade maior em compreender eles do que eu – e fomos pegar o trem/comboio de Sintra em direção a Lisboa. Veja bem, somos paulistas, e em São Paulo cada estação onde passa mais de uma linha é divida em muitas plataformas e cada plataforma passa o trem que vai em apenas um sentido e é sempre assim, diferente daqui.

Aqui em muitas estações uma mesma plataforma passa vários trens que vão para mesma direção, mas não para o mesmo destino final. Por exemplo, se você está na estação de Sintra (como estávamos na primeira vez) e quer ir para Lisboa, todos os trens que vão sentido Lisboa ou passam por lá vão passar na mesma plataforma (me lembro que só tinha duas, uma que ia e outra que vinha) e eles não vão necessariamente parar ou passar na sua estação de destino. Às vezes o trem pode ser expresso ou pode ir sentido a Lisboa só até um ponto e depois pegar outra rota, então você precisa saber o destino final do trem que precisa pegar e prestar atenção no nome/destino de cada trem que passa. Pode parecer estranh,o mas essa é uma das coisas que eu me acostumei mais rápido.

Ainda falando do transporte, eu estranhei muito a primeira vez que procurei um funcionário do metrô/trem para tirar algum dúvida e simplesmente não achei ninguém. Apesar de não gostar de comparar os lugares – e veja bem isso não é uma comparação – o meu ponto de “normalidade” para tudo até então era São Paulo e lá se encontra muitos funcionários por todo canto, que não necessariamente estão sempre bem informados e dispostos a ajudar mas enfim, aqui não. Aqui você mesmo compra a sua passagem nas máquinas, em algumas estações (principalmente aqui no Porto, todas as que eu conheci até agora são assim) você é o responsável por ser honesto na compra do seu bilhete – já que o preço varia dependendo do tamanho do trecho percorrido – e por validá-lo antes de embarcar e sim, existe fiscalização dentro dos trens e se você for pego fazendo qualquer coisa errada você paga uma multa de 100 vezes o valor correto que você deveria ter pago.

As mesmas comidas, nomes diferentes

E por último vou citar outro ponto simples que você provavelmente vai se ver meio confuso assim que chegar: a primeira vez que você vai pedir comida. Tanto faz se é uma lanchonete (ou tasca como dizem aqui) ou se é em algum restaurante, eles usam nomes diferentes para coisas simples como: tostas = torradas, sumo = suco, risol = risole/salgado frito e vários outros. Fora que eles comem muito peixe e outras coisas que não são tão comuns no Brasil (ou pelo menos na minha realidade não eram) e você vai aprendendo aos poucos o que gosta ou não.

Não encarem nenhuma primeira vez como um problema, é uma delícia aprender coisas novas e conhecer novas culturas! Me conta aqui nos comentários: qual primeira vez foi marcante pra você?

Até semana que vem!

Este conteúdo é de total responsabilidade do autor da coluna Isis Zimmerman. Acompanhe a Isis no YouTube.

Veja também:

Atenção: Este conteúdo é de exclusividade do Já Fez as Malas? e não pode ser reproduzido parcial ou integralmente sem autorização prévia. Caso queira referenciar o conteúdo abordado neste artigo, pode-se utilizar um link para a matéria.


Chip com internet nos EUA

Envie e receba dinheiro no exterior

Melhores Hotéis e Hostels

Booking.com