Olá! Meu nome é Maristela e eu estou prestes a me mudar para Tel Aviv, Israel. Ainda estou naquele processo de tirar o visto, tomar coragem, arrumar minhas malas e ir sem olhar para trás.

Você deve estar pensando: ela provavelmente é uma garota judia, que provém de uma família com descendência israelense e quer voltar às suas origens. Bom, não é nada disso. Eu sou católica, venho de uma família com descendência italiana e sem nenhum ancestral israelita. Mas provavelmente meus filhos não poderão dizer o mesmo…

Onde tudo começou

Minha história começa em dezembro do ano passado, quando eu fui viajar com uma amiga para o Rio de Janeiro. Aliás, a viagem era para Paraty (RJ), mas uma semana antes de viajar, eu decidi que seria uma boa ideia aproveitar que estaríamos por perto e finalmente conhecer a Cidade Maravilhosa.

No meu segundo dia no Rio, um sábado cinza e chuvoso, decidimos conhecer o Jardim Botânico, já que ir à praia estava totalmente fora de questão. Pedimos um Uber e lá fomos nós! Chegando às redondezas, o motorista errou o caminho e foi parar na entrada do Parque Lage, provavelmente sem paciência pra continuar aquela corrida, ele acabou nos convencendo que lá seria um bom lugar para começar o nosso passeio.

E ele estava certo! O Parque Lage é lindo, até mesmo com chuva.

Estávamos tirando algumas fotos na parte em que fica a cafeteria, quando eu ouvi uma pergunta com um português meio enrolado “Lá atrás é o Corcovado?”, quando olhei de lado, percebi que era um gringo que tentava puxar assunto meio sem jeito.

O tal gringo…

O nome dele era Jordan e ele e um amigo estavam passando férias no Brasil. Ambos viviam em Israel. Ele pediu meu número para que pudéssemos sair à noite, e embora achasse aquela proposta um pouco arriscada (porque quando você cresce no interior, sempre escuta sua mãe dizer: “não é pra sair com quem você não conhece!”), eu tinha acabado de sair de um relacionamento de dois anos, e queria me permitir a todas as novas oportunidades possíveis.

Depois de trocarmos algumas mensagens, saímos no sábado à noite e também no domingo para nos despedirmos, já que na segunda de manhã eu voltaria para o interior de São Paulo.

Mas quem disse que uma simples despedida seria possível? O nosso “adeus” se transformou em um “até logo”, e um mês depois, dias antes de seu retorno para Tel Aviv, nos encontramos em São Paulo e passamos mais três dias juntos.

Eu tinha certeza que depois disso nós iríamos nos despedir, mas, de novo, não conseguimos. E então, dois meses depois, eu estava embarcando para Tel Aviv para visitar o gringo que nessas alturas já tinha se tornado o meu namorado.

A minha viagem foi no mês passado, e eu voltei para o Brasil com a decisão de que em alguns meses, eu voltaria para Tel Aviv para morarmos juntos.

E é agora que vocês começam a acompanhar a fase transitória da minha mudança para Israel. No meu próximo artigo vou contar sobre a minha viagem e como foi conhecer esse país maravilhoso.

A gente se fala em breve!

Este conteúdo é de total responsabilidade do autor da coluna Maristela Galati.

Veja também:

Atenção Atenção
Este conteúdo é de exclusividade do Já Fez as Malas e não pode ser reproduzido parcial ou integralmente sem autorização prévia. Caso queira referenciar o conteúdo abordado neste artigo, pode-se utilizar um link para a matéria.

Sobre o Autor

Maristela Galati

Maristela Galati, 23 anos, jornalista. Se mudou para Tel Aviv (Israel) para ficar perto de seu amor. Escreve em sua coluna aqui no Já Fez as Malas.

Artigos Relacionados